O morador do Recife tem medo de sair de casa e não retornar por causa da violência, não confia na polícia e tem uma baixa sensação de segurança - média de 3,8 numa escala de 0 a 10. A conclusão é de uma pesquisa realizada entre os dias 8 e 10 pela Faculdade Maurício de Nassau, da capital pernambucana.

Intitulado de Termômetro da insegurança e vitimização na cidade do Recife , o levantamento divulgado hoje ouviu 795 moradores para tentar identificar o sentimento e a percepção da população em relação ao crime numa das capitais mais violentas do País.

Coordenador do estudo, o sociólogo Adriano de Oliveira destacou que 64,2% dos entrevistados disseram conhecer alguma vítima de homicídio no Estado. Quanto menor a renda, maior o porcentual - dos que ganham mais de dez salários mínimos, 17,5% afirmaram conhecer vítimas de assassinatos.

A maioria dos casos ocorreu nos últimos dois anos - 60,7% - e, destes, 33,9% nos últimos três meses, o que leva Oliveira a observar que "o homicídio faz parte do cotidiano das pessoas da cidade, especialmente as mais pobres, que são as principais vítimas". A maioria dos pesquisados - 54,7% - não considera nenhum bairro da capital pernambucana seguro. Já foram vítimas de assalto em via pública 44,6% dos entrevistados (57,4% das investidas com arma de fogo) e 16,1% tiveram sua casa assaltada. Quase 80% dos pesquisados (79,8%) afirmaram não acreditar que a polícia possa lhes proteger dos criminosos. Disseram crer 19,1% - 32% deles com renda de até um salário mínimo.

Dos que tiveram a residência roubada, 46,5% prestaram queixa à polícia, mas para 88% deles, o assaltante não foi presos. Dos assaltados em via pública, 45,4% também procuraram a polícia, que não prendeu o criminoso, de acordo com 91,4% deles. A maioria das vítimas não registra queixa na polícia diante da "ineficiência" para prender os criminosos. Com isso, os dados oficiais não representam, segundo o sociólogo, a realidade criminal. "O descrédito da população na instituição policial coloca em prova a capacidade do Estado para prevenir e punir os delitos na sociedade", afirmou.

Medo

Sobre o medo de não voltar para casa, 62,8% responderam afirmativamente, independente da renda ou da classe social a que pertencem. Também em todos os segmentos econômicos, mais de 50% dos entrevistados mudaram os hábitos visando a se proteger da violência. Nesse quesito, o receio de sofrer um ato criminoso afeta mais as mulheres - 54,5% delas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.