Monotrilho vai ligar Congonhas e Morumbi

O governo de São Paulo prevê lançar o edital para construção da Linha 17-Ouro do Metrô até novembro, um trecho que vai ligar o Aeroporto de Congonhas ao Estádio do Morumbi, num traçado de 21,5 quilômetros de extensão. A linha será feita em três etapas e poderá ter verba federal.

Agência Estado |

A primeira fase tem conclusão prevista em 15 meses, dezembro de 2010, já como parte dos investimentos paulistas para a Copa do Mundo de 2014. "Entre 30 e 60 dias o edital estará nas ruas e o projeto funcional da linha está concluído. Prevemos o início das obras para janeiro. É possível que o trem esteja rodando em dezembro de 2010 num primeiro trecho", prevê o secretário adjunto de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, João Paulo de Jesus Lopez.

A linha 17 não será como a de um metrô convencional. A proposta é fazer um monotrilho suspenso em pilares. As composições terão tração elétrica e sustentação sobre pneus. A pista suspensa deverá ocupar o canteiro central de avenidas como a Jabaquara, Bandeirantes, Washington Luís, Roberto Marinho. De acordo com Lopez, a definição pelo monotrilho levou em conta um número menor de desapropriações.

Custo do projeto

O custo total do projeto é estimado em R$ 3,3 bilhões. Foi solicitado ao governo federal financiamento de R$ 2,4 bilhões, por meio de recursos do Programa de Aceleração dos Crescimento (PAC) da Mobilidade. "Também haverá participação da Prefeitura de São Paulo na terceira fase das obras, na região do Morumbi", disse Lopez.

Para efeito de comparação, a Linha 4-Amarela do Metrô, que entrará em operação em 2010, tem custo de mais de R$ 3 bilhões. Os 12,8 quilômetros de extensão entre a Vila Sônia e a Estação Luz são todos subterrâneos. Na Linha 17-Ouro, as vias e estações deverão ser construídas a uma altura entre 12 e 15 metros.

Para segurança dos passageiros durante o embarque, é prevista porta de plataforma em todas as estações. Essas portas são feitas de vidro e se abrem simultaneamente com as portas dos trens. A demanda prevista para as três fases juntas é de transportar 230 mil usuários por dia, segundo o Metrô.

Agressão à paisagem

A Linha 17-Ouro é o segundo projeto em monotrilho na capital. O governo estadual também prevê a construção do Expresso Tiradentes entre a Vila Prudente e Cidade Tiradentes, na zona leste, nesse formato, num trecho de 22,3 quilômetros em vias elevadas.

Para o coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unesp, Fernando Okimoto, a escolha pelo monotrilho deve levar em conta problemas a serem gerados com o elevado, como desvalorização de regiões e agressão à paisagem urbana. "Pode-se resolver o problema do transporte e provocar um outro, urbanístico. Veja o problema do Elevado (Minhocão), que tem ao lado unidades habitacionais ociosas porque ninguém consegue morar lá."

Leia mais sobre transporte

    Leia tudo sobre: monotrilhotransporte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG