A prefeitura de Mongaguá (litoral sul de São Paulo) vai multar os moradores, comerciantes, donos de imóveis e locatários que mantiverem criadouros do mosquito da dengue em seus imóveis. No mês passado, o prefeito Paulo Wiazowski Filho (DEM) sancionou uma lei que prevê multa de até R$ 720 para quem não regularizar a situação.

Quando os focos do Aedes aegypti forem detectados, o proprietário será orientado para num prazo de dez dias acabar com os criadouros. Caso isso não ocorra, a multa aplicada será proporcional ao número de focos. O valor pode ir de R$ 180, se houver dois focos do mosquito, até R$ 720, se o responsável pelo imóvel não cumprir as determinações dos fiscais e mantiver mais de sete focos. Em caso de reincidência, a multa será cobrada em dobro.

De acordo com o diretor do Departamento de Zoonoses do município, Luiz Antonio de Toledo Leite Júnior, 36 agentes atuam no trabalho de conscientização dos moradores, visitando residências e comércio e dando informações sobre a dengue para a população.

Leia mais sobre dengue

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.