Momento é de proteger bandido, desabafa Protógenes

BRASÍLIA - Um dia depois do Supremo votar e aprovar um habeas corpus a favor do sócio do Opportunity, Daniel Dantas, preso durante a operação Satiagraha da Polícia Federal, o delegado Prótogenes Queiroz, antigo responsável pela investigação, disse que o momento político é de proteger bandidos. De acordo com ele, a operação bateu nas portas do poder e rachou o País.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

"Do ponto em que deixei a Satiagraha já tinha elementos para subir ao Supremo (única corte que julga políticos no poder)", disse. "A resistência do governo já mostra isso (...) Quando eu preparava a Satiagraha eu falei que era uma operação que ia rachar o País no meio, e rachou. Só que de um lado ficou uma minoria com poder", completou.

Em Brasília para dar uma palestra a estudantes, Protógenes ainda alegou que o mandato de busca e apreensão, que há dois dias foi executado contra ele, foi uma "operação casada" com o julgamento do hábeas corpus de Dantas. "Foi uma operação casada", disse ele, completando que Dantas tende a "tumultuar" todo tipo de investigação. "Ele é uma pessoa que tem muito segredo guardado".

Por fim o delgado ironizou o fato do pedido de hábeas corpus de Daniel Dantas ter sido diretamente apreciado pelo Supremo, onde o sócio do Opportunuty, em gravações da Polícia Federal, diz ter facilidades. "Esse é um avanço jurídico espetacular", pontuou.

Leia mais sobre: Operação Satiagraha

    Leia tudo sobre: operação satiagraha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG