A duas semanas de deixar a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), a ministra Ellen Gracie sofreu uma derrota durante sessão administrativa de quarta-feira, que trata apenas de questões internas do tribunal. O ministro Marco Aurélio Mello conseguiu gerar uma polêmica e pediu que as sessões extraordinárias de segunda-feira, como as marcadas para as duas próximas semanas, fossem banidas ou marcadas somente em casos extremos.

As sessões extraordinárias mais recentes foram marcadas para compensar feriados. Ellen justificou que, antes de deixar a presidência, precisava despachar vários processos que estão em seu gabinete. Por isso convocou as próximas duas sessões extraordinárias. Eu não queria deixar como herança maldita ao meu sucessor, afirmou. Costumo trabalhar até altas horas pela madrugada e deixo de comparecer às sessões quando tenho dezenas de medidas liminares, justificou Celso de Mello.

A proposta de Ellen foi rejeitada por dez votos a um, mas ministros abriram exceção para as duas sessões já marcadas para as próximas segundas-feiras. Mesmo com seu pedido em parte aceito pelos colegas, Marco Aurélio continuou as críticas. Reclamou de que nunca foi consultado sobre a viabilidade de sessões às segundas e disse que ouvir os colegas sobre esses assuntos é tradição no STF.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.