Ministros da Suprema Corte criticam uso de algemas pela PF

BRASÍLIA - Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) se mostraram contrariados com o uso de algemas na Operação Dupla Face, deflagrada ontem pela Polícia Federal, que prendeu 32 pessoas. Isso porque, na semana passada, em julgamento de um habeas-corpus, o STF definiu que o instrumento só deve ser usado em situações excepcionais.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

Configura crime de desobediência e é uma afronta visível ao que foi decidido pelo Supremo na semana passada, sujeito à responsabilização penal, civil e administrativa, disse o decano Celso de Mello. Ele considerou ainda ser preciso ler as leis. Mas algumas autoridades preferem ler manuais, o que é primário, avaliou. 

O ministro Menezes Direito reforçou que o descumprimento da súmula deve trazer conseqüências e que uma decisão da Corte Suprema não pode ficar subordinada à decisão policial.  

Súmula

Apesar do principal item da sessão desta quarta-feira ser uma ação declaratória de constitucionalidade, os ministros iniciaram os trabalhos discutindo o verbete a ser usado na súmula vinculante que determinará em que situações poderá se aplicar o uso das algemas. Após uma série de sugestões, o ministro Cezar Peluso sugeriu uma redação que pode ser analisada pelo pleno ainda hoje. Caso ela seja aprovada, a súmula vinculante será redigida da seguinte maneira:

Só é lícito o uso de algemas em caso devidamente justificado por escrito de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia por parte do preso ou de terceiros sob pena de responsabilização disciplinar, civil e penal de agentes e autoridades bem como de nulidade da prisão ou do ato processual.

Leia mais sobre: uso de algemas

    Leia tudo sobre: pf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG