O Ano da França no Brasil foi aberto nesta terça-feira e prosseguirá até o dia 15 de novembro, com a realização de cerca de 300 eventos que vão acontecer do Amapá ao Rio Grande do Sul. O ministro da Cultura, Juca Ferreira, e a ministra da cultura e comunicação da França, Christine Albanel, disseram que a programação tem como objetivo o aprofundamento do diálogo entre os dois países.

"Esperamos a reaproximação da França com o Brasil. Nas últimas décadas, houve um certo esmaecimento da presença francesa. "Quando eu era menino, nos anos 50, Edith Piaf e Charles Aznavour tocavam no rádio", disse Ferreira.

AE
Ano da França no Brasil começa com queima de fogos na Lagoa Rodrigo de Freitas

O Ano da França no Brasil acontece em retribuição ao Ano do Brasil na França, celebrado em 2005. Na ocasião, mais de 15 milhões de espectadores franceses compareceram aos eventos brasileiros. A ideia é mostrar "a França inteira no Brasil inteiro", com exposições de arte, palestras, apresentações musicais, encontros acadêmicos e econômico-comerciais.

A princípio, seriam cerca de 600 eventos, mas o número foi reduzido por causa da crise financeira mundial. A França está investindo 15 milhões de euros, entre recursos públicos e privados. Grandes empresas como a Renault, a Air France e a PSA Peugeot Citroen participam. O Brasil está gastando R$ 8 milhões. Entre os patrocinadores brasileiros, estão o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Petrobras e os Correios.

Veja reportagem sobre o Ano da França no Brasil:

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.