BRASÍLIA (Reuters) - O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, desafiou nesta segunda-feira a oposição a fazer um debate sobre ética durante a campanha eleitoral. Ele rebateu as recentes declarações de tucanos, como o do pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, José Serra, em referência a supostos esquemas de corrupção ocorridos durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva.

"Queremos entrar no debate ético. Nós temos o que mostrar sobre a aliança PSDB e DEM", disse a jornalistas o ministro depois da reunião ministerial convocada pelo presidente Lula.

"Eles não têm moral para falar sobre ética."

Padilha afirmou que Lula fará campanhas para os aliados aos finais de semanas e depois do expediente. "Ele não vai abdicar de participar do processo eleitoral."

O ministro defendeu também que a pré-candidata do PT Dilma Rousseff priorize uma agenda própria, apesar de poder participar de cerimônias e inaugurações promovidas pelo governo antes do início oficial da campanha eleitoral.

"Ela vai ter agenda própria de pré-candidata, tem muita demanda para essa agenda."

O primeiro compromisso público dela após deixar o governo, na semana passada, é um evento do PR nesta tarde, quando deve receber o apoio do partido para a sua campanha.

(Reportagem de Fernando Exman)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.