Ministro diz que demissões foram para oxigenar os Correios

Ministro diz que atrasos nas entregas de encomendas e problemas na realização de concurso público contribuíram para a saída

Agência Brasil |

O ministro das Comunicações, José Artur Filardi, disse nesta quarta-feira que a demissão do presidente dos Correios, Carlos Henrique Custódio , foi motivada por uma questão administrativa. “Foi uma necessidade de oxigenar os Correios, a decisão já estava para ser tomada, só estávamos estudando os nomes”, disse.

Ele afirmou que os atrasos nas entregas de encomendas e problemas na realização de concurso público para a estatal contribuíram para a saída de Custódio. “O governo entendeu que era hora de dar uma nova administração, dar possibilidade de os Correios continuarem de uma forma mais normalizada”, avaliou.

Filardi confirmou que o novo presidente da empresa será David José de Mattos, atual secretário-geral da Novacap, companhia urbanizadora de Brasília. Ele é engenheiro eletricista pós graduado em administração, operação de sistemas elétricos, gestão de recursos hídricos e economia da energia. Também foi funcionário da Eletronorte e de diversas secretarias do Distrito Federal.

O diretor de Recursos Humanos dos Correios, Pedro Magalhães, será substituído por Nelson Oliveira de Freitas. A empresa também terá um novo diretor de Operações, Eduardo Artur Rodrigues Silva, que vai substituir Marco Antônio Marques de Oliveira, demitido em junho.

    Leia tudo sobre: correiosCarlos Henrique Custódio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG