Ministro da Saúde lança campanha contra automedicação

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, lançou nesta quarta-feira três ações para educar a população sobre o uso inadequado de medicamentos: um guia de prescrição para profissionais de saúde, uma nova lista de remédios essenciais distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), e uma campanha publicitária de circulação nacional. ¿A automedicação é um problema muito sério e precisa ser combatido¿, afirma o ministro.

Carol Pires, Último Segundo/Santafé Idéias |

Acordo Ortográfico

Segundo pesquisa do Sistema Nacional de Informações Tóxico-farmacológicas (Sinitox), só em 2006 foram registrados 107.958 casos de intoxicação humana, sendo 30% das ocorrências referentes à ingestão de medicamentos que lideram a lista de principais agentes tóxicos.

O erro na maioria das vezes é daquele do consumidor escolhe a automedicação, por não procurar um profissional de saúde, ou por guardar o remédio em lugar inadequado, acessado por uma criança, que por não saber o que é, acaba tomando Não é incomum o brasileiro que toma o remédio porque o compadre ou o vizinho indicou, e isso é muito perigoso, observa.

Ações do Ministério

Para informar a população das conseqüências da automedicação, o ministério divulgará a campanha A informação é o melhor remédio. Quem protagoniza as propagandas é o médico Dráuzio Varella. 10 mil kits com cartazes, cartilhas e sonoras para rádio e vídeo serão distribuídos a partir desta semana pelo País.

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do ministério da Saúde ficou responsável pelo Formulário Terapêutico Nacional 2008 (FTN), uma publicação que ajudará profissionais de saúde na hora de indicar aos paciente os uso dos medicamentos essenciais. Os médicos terão mais segurança ao prescrever, afirma Dirceu Barbano, diretor do Departamento de Assistência Farmacêutica. Ao todo 50 mil exemplares do FNT em formato de bolso serão distribuídos pelo Brasil.

Outra novidade anunciada hoje pelo ministro Temporão foi a sexta edição da Relação Nacional de Medicamentos 2008, uma lista que norteia os medicamentos essenciais para tratar doenças mais comuns na população. Foram incluídos 13 novos medicamentos e excluído um, o mesilatro de nelfinair, do coquetel para pacientes com HIV. Segundo Temporão, o remédio não tem mais consenso terapêutico entre especialistas.

Leia também

Leia mais sobre: remédios

    Leia tudo sobre: saúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG