Ministro da Cultura nega ter confirmado presença na Feira de Frankfurt

SÃO PAULO ¿ Diante da repercussão da carta aberta de Paulo Coelho divulgada ontem, em que o autor criticava duramente o ministro da Cultura, Juca Ferreira, por cancelar sua participação na abertura da Feira do Livro de Frankfurt, o ministério emitiu nota oficial negando que a presença do ministro estivesse confirmada na festa.

Redação |

Acordo Ortográfico

De acordo com o texto, o Ministério da Cultura "em momento algum" confirmou a ida do ministro à feira, considerada um dos eventos literários mais importantes do mundo. A viagem de Ferreira teria sido cancelada devido a uma convocação para o Encontro Ibero-Americano ¿ Agenda Afrodescendente das Américas, na Colômbia.

Na carta , Coelho havia classificado o cancelamento de "completa e absoluta falta de respeito comigo, com meus editores nacionais e internacionais, com a Feira de Frankfurt ¿ já que sua presença tinha sido anunciada ¿ e com os meus leitores".

O ministério afirma na nota reconhecer a "contribuição da obra de Paulo Coelho para a literatura nacional - fato consagrado por sua eleição à Academia Brasileira de Letras" e o papel dos livros do escritor para "popularização da literatura no país". Além disso, garante a presença em Frankfurt do ministro interino da Cultura, Alfredo Manevy, e do coordenador do Plano Nacional de Livro e Leitura, Jefferson Assunção.

Marcada para o dia 15 de outubro, a abertura da 60ª edição da Feira do Livro de Frankfurt, na Alemanha, tem prevista a entrega de um diploma do Livro Guinness dos Recores conferindo a Paulo Coelho o título de escritor vivo mais traduzido do mundo.

Confira a abaixo a íntegra da nota oficial do Ministério da Cultura:

"Nota de esclarecimento do Ministério da Cultura em relação a nota do escritor Paulo Coelho

O Ministério da Cultura esclarece, em vista da carta divulgada em seu blog pelo escritor Paulo Coelho, que em momento algum confirmou a ida do ministro da Cultura, Juca Ferreira, à 60ª edição da Feira de Frankfurt, nem ao evento comemorativo à marca de cem milhões de livros vendidos pelo escritor em todo o mundo.

A aceitação do convite ficou impossibilitada pela convocação para Encontro Ibero-Americano - Agenda Afrodescendente das Américas promovido pelo Ministério da Cultura da Colômbia, com participação da Secretaria Geral Ibero-americana. Será o primeiro encontro de ministros na América do Sul para discutir, especificamente, políticas regionais para a cultura negra.

A ausência pessoal do ministro de Estado na Feira de Frankfurt, no entanto, não representa, de forma alguma, o descompromisso do governo brasileiro com o evento, o mais tradicional e amplo do gênero. O Ministério da Cultura realizará atividades na 60ª Feira de Frankfurt, como parte de sua política de valorização e qualificação das feiras nacionais e internacionais de leitura.

Haverá um stand temático do Machado de Assis, em referência ao centenário de sua morte, organizado pelo Ministério da Cultura em parceria com Fundação Biblioteca Nacional, Câmara do Livro e Agência Brasileira de Promoção das Exportações (Apex). O governo também levará dois brasilianistas, Thomas Sträter e Berthold Zilly, para falar sobre a influência internacional da obra de Machado.

Finalmente, o Ministério da Cultura será representado pelo ministro interino da Cultura, Alfredo Manevy, e o coordenador do Plano Nacional de Livro e Leitura, Jefferson Assunção. A pedido da organização da feira, será palestra sobre a política de livro e leitura do governo brasileiro.

O ministério reconhece a contribuição da obra de Paulo Coelho para a literatura nacional - fato consagrado por sua eleição à Academia Brasileira de Letras -, para a difusão da cultura brasileira no exterior - confirmada pela venda de cem milhões de exemplares de seus livros no mundo todo - e para a popularização da literatura no país."

Leia mais sobre: Paulo Coelho

    Leia tudo sobre: ministério da culturapaulo coelho

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG