Ministério Público pede prisão de PMs que não socorreram coordenador do AfroReggae

RIO DE JANEIRO ¿ O Ministério Público Estadual solicitou nesta sexta-feira à Justiça Militar do Estado do Rio a prisão preventiva dos policiais militares Marcos de Oliveira Sales e Dennys Leonard Nogueira Bizarro. Os dois são acusados de roubar pertences do coordenador do AfroReggae Evandro João da Silva, após ele ter sido morto em um assalto ocorrido no Centro do Rio no último domingo. Além de não socorrerem a vítima, eles teriam liberado os suspeitos do crime.

Redação |

O pedido de prisão fundamenta-se no Inquérito Policial Militar instaurado para apurar a conduta dos PMs. O documento ressalta que as imagens gravadas em câmeras de segurança indicam que os policiais abordaram dois indivíduos logo após o crime de latrocínio (roubo seguido de morte) e sem qualquer razão liberaram estas pessoas, ficando com os pertences da vítima do delito.

De acordo com a promotoria, a vítima agonizava a curta distância da abordagem e os referidos militares não providenciaram o socorro a que estavam obrigados por lei.

Os referidos policiais militares, como tais, tinham o dever de garantir a ordem pública e assegurar a paz social. Porém, ao contrário, se veem envolvidos em atos que denigrem a imagem da instituição que representam, fazendo uso indevido da autoridade em que foram investidos, manifesta o MP no pedido de prisão.

O MPRJ considera que há indícios de cometimento de crime militar pelos policiais, estando presentes a materialidade do crime e fortes indícios da autoria. Lamentavelmente tal prática incute na sociedade a ideia de que não estamos mais seguros nem mesmo ao lado da polícia, conclui o pedido de prisão.

Policiais assumem erro na morte de integrante do Afroreggae:

Leia também:

Leia mais sobre: violência no Rio

    Leia tudo sobre: afroreggaeassassinatocrimelatrocíniopmpolícia militarviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG