Ministério Público denuncia 14ª pessoa por cratera do Metrô de São Paulo

SÃO PAULO - O Ministério Público de São Paulo denunciou à Justiça nesta segunda-feira o engenheiro Celso da Fonseca Rodrigues, do Consórcio Via Amarela, por homicídio culposo em razão de desmoronamento de parte da obra de construção da Estação Pinheiros (Linha 4 ¿ Amarela) do Metrô, no dia 12 de janeiro de 2007. O acidente causou a morte de sete pessoas. Outras 13 pessoas ¿ entre diretores e técnicos do Consórcio e do Metrô ¿ já haviam sido denunciadas no início de janeiro.

Redação |

O engenheiro foi denunciado em razão dos depoimentos ouvidos pela polícia na última quinta-feira (5). Com base no depoimento, o promotor Arnaldo Hossepian Junior aditou a denúncia já aceita pela juíza da 1ª Vara Criminal de Pinheiros, Margot Chrysóstomo Correa Begossi, para incluir Celso da Fonseca Rodrigues como réu na ação.

Rodrigues gerenciava e coordenava a atuação de todos os engenheiros do Consórcio Via Amarela envolvidos na construção da Linha 4 ¿ Amarela do Metrô, inclusive o canteiro Pinheiros, local do acidente. De acordo com a denúncia, ele foi negligente porque deixou de cobrar esclarecimento de seus subordinados sobre as alterações no plano de execução da obra, e também não se preocupou em determinar a realização de providências por parte de um engenheiro a ele subordinado para a adaptação do procedimento construtivo previamente fixado.

O engenheiro é ainda acusado de negligência quanto ao plano de gerenciamento de risco. Segundo o MP, Rodrigues aceitou que a obra se desenvolvesse sem a elaboração de um sistema de emergência destinado à evacuação do local em caso de risco.

Leia mais sobre: cratera do Metrô

    Leia tudo sobre: cratera do metro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG