BRASÍLIA - O Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de DST e Aids, pretende distribuir no ano que vem 1,2 bilhão de unidades de camisinhas, que serão repassadas a Estados e municípios.

Essa meta representa quase o triplo do que foi distribuído em 2008, e que já havia quebrado um recorde: 406 milhões de unidades. O edital para a compra já foi publicado e a abertura das propostas está prevista para o dia 29 de dezembro. Segundo o ministério, é a maior compra de preservativos já realizada no mundo.

Em 2008, a quantidade de camisinhas já havia sido três vezes maior do que a disponibilizada no ano passado. O recorde anterior foi de 2003, quando foram distribuídas 257 milhões de unidades. Os preservativos são distribuídos em serviços públicos de saúde e ações do governo, sociedade civil e outras organizações, que trabalham na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.

As empresas que ganharem a nova concorrência devem começar a produzir as camisinhas já em janeiro de 2009. Após firmar o contrato, o primeiro lote, com 325 milhões de unidades, deve ser entregue em 120 dias. A distribuição ganhará um reforço em 2009, com a primeira fábrica de camisinhas do Brasil, em Xapuri (AC). O primeiro lote, com um milhão de camisinhas, foi entregue ao ministério no último dia 18. A capacidade de produção da empresa estatal, que é a única a utilizar látex da seringueira na produção do preservativo, é de 100 milhões de unidades por ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.