BRASÍLIA - O ministro da Saúde José Gomes Temporão assinou, nesta terça-feira, 70 portarias e liberou R$ 2,7 bilhões para reajustar procedimentos realizados em várias áres do Sistema Único de Saúde (SUS) e ajustar os tetos financeiros dos Estados e municípios.

De acordo com Temporão, os recursos chegam diretamente na "ponta" do sistema e vão permitir que os hospitais ampliem as ofertas de serviços para a população.

Segundo ele, a maior parte dos recursos será usada para corrigir a tabela de procedimentos ambulatoriais e hospitalares de média e alta complexidade, que terá um investimento anual de R$ 902,6 milhões.

O segundo maior reajuste foi no teto financeiro para Estados e municípios, que tomará R$ 662,9 milhões. A média per capita do investimento em procedimentos de média e alta complexidade era de R$ 114 por habitante. A tabela foi corrigida em outubro, alcançando R$ 122 e agora, com o novo aumento, a média do investimento per capita será de R$ 134,7.

Dos R$ 2,7 bilhões, de acordo com Temporão, R$ 440,9 milhões serão usados para a correção das diárias nas Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), que terão reajuste de 40%.

O ministério vai investir ainda recursos para ampliar a tabela dos transplantes e também em hospitais universitários, entidades filantrópicas, e na implantação de novos serviços para portadores de deficiência.

O ministro também anunciou recursos da ordem de R$ 440 milhões para o financiamento de estratégias de organização da "Atenção Básica", que inclui investimentos em agentes comunitários de saúde, saúde bucal, e no programa Saúde da Família.

Leia mais sobre: saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.