Ministério constata aumento de trabalho escravo onde há expansão do etanol

BRASÍLIA - Goiás e Alagoas lideram a lista de ações de resgates de trabalhadores encontrados em condições análogas à de escravos, conforme o Relatório da Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo, do Ministério do Trabalho e Emprego.

Agência Senado |

Em 2008, foram resgatados 867 trabalhadores no primeiro estado e 656 no segundo, o que representa 40% do total. De acordo com Giuliana Cambauva Cassiano, chefe do órgão, o fato está ligado ao processo de expansão de usinas produtoras de etanol nesses estados, sendo que a maioria dos trabalhadores foi resgatada de propriedades produtoras de cana-de-açúcar.

Em função da expansão do consumo e da exportação do etanol, Goiás e Alagoas, que são importantes produtores de cana-de-açúcar e concentram um grande número de usinas, foram foco da fiscalização no ano de 2008. "E infelizmente, nós presenciamos essa situação nesses Estados", observou Giuliana.

Os dados foram apresentados nesta quinta-feira, durante audiência pública promovida pela Subcomissão de Combate ao Trabalho Escravo, que é presidida pelo senador José Nery (PSOL-PA) e ligada à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

Em sua apresentação, Giuliana Cassiano destacou a incidência de trabalho degradante em propriedades rurais no Pará e em Mato Grosso, onde foram resgatados 592 e 407 trabalhadores, respectivamente, este ano.

As informações referem-se à ação realizada pelos grupos especiais de fiscalização móvel mantidos pelo ministério. Desde janeiro, esses grupos realizaram 111 operações em 196 propriedades rurais em todo o País, resultando num total de 3.769 trabalhadores resgatados e em ações determinando o pagamento de indenizações no valor global de R$ 7 milhões.

Também presente ao debate, Rosa Maria Campos Jorge, presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho, manifestou preocupação com a existência de trabalho escravo no processo de produção de biocombustíveis. Em sua opinião, os incentivos à produção de energia limpa, essencial para o equilíbrio ambiental, devem vir acompanhados por regras que assegurem condições dignas de trabalho.

"É preciso incentivar a produção de biocombustíveis, mas também cobrar respeito às garantias mínimas dos trabalhadores, que hoje estão morrendo de exaustão nos canaviais ", afirmou.

Ao destacar que o número de auditores do trabalho é muito pequeno em relação à população economicamente ativa do país, Rosa Maria cobrou investimentos para a realização de concursos de forma a ampliar o quadro de técnicos ligados às ações de fiscalização nas áreas rurais.

No mesmo sentido, Renato Sant'Anna, diretor legislativo da Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho (Anamatra), lamentou que o País ainda conviva com a existência de trabalho escravo, o que, observou, revela grave desrespeito "a direitos trabalhistas mínimos".

Leia mais sobre: trabalho escravo

    Leia tudo sobre: trabalho escarvotrabalho escravo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG