O ministro do Desenvolvimento, da Indústria e do Comércio Exterior, Miguel Jorge, disse hoje que foi escolha pessoal dele a da secretária-executiva da Casa Civil, Erenice Guerra, como integrante do conselho fiscal do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Erenice é apontada como a funcionária que ordenou a confecção do suposto dossiê, ou banco de dados, sobre os gastos do ex-presidente Fernando Henrique e da então primeira dama Ruth Cardoso.

O ministro afirmou que "não há nenhuma razão para reverter a decisão de nomeá-la para o conselho fiscal do banco". De acordo com ele, o critério foi de conhecimento e de experiência.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.