A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na sexta-feira que verificou cem novos casos de infecção hospitalar por micobactérias no País desde agosto, quando havia divulgado seu último boletim sobre a doença. No entanto, o próprio órgão federal reconhece que os 2. 122 confirmados de 2000 até agora - contra 2.032 até agosto - são subestimados e que o número de doentes pode chegar a 4 mil pessoas.

Ainda segundo a agência, a notificação obrigatória dos casos de micobactéria, instituída também em agosto, ainda não está ocorrendo principalmente em razão de problemas com um software que recebe os dados sobre infecções hospitalares de todo o País. De acordo com o gerente-geral de Tecnologias de Serviços de Saúde da agência, Heder Borba, que assumiu há dez dias, de 700 hospitais que deveriam abastecer o sistema, apenas 90 têm fornecido dados, o que coloca em xeque todas as informações sobre infecção hospitalar.

Não há como confiar no que recebemos, disse Borba, que promete até o fim do ano solucionar os problemas com o programa de computador. Temos de resolver isso definitivamente, continuou. As micobactérias envolvidas nos casos de infecção hospitalar são microrganismos parentes da bactéria causadora da tuberculose e geram feridas de difícil cicatrização e nódulos. Desde 2007 o País vive nova epidemia dos casos, que começaram a ser registrados em 2000.

Leia mais sobre: microbactéria

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.