Por Chris Baltimore HOUSTON (Reuters) - A morte de Michael Jackson foi causada por doses letais do poderoso anestésico propofol, de acordo com laudo do médico-chefe da equipe de legislas de Los Angeles, revelado por documentos apresentados a um tribunal de Houston nesta segunda-feira.

Jackson sofreu uma parada cardíaca e morreu em 25 de junho, aos 50 anos. Desde então, as investigações da polícia apuravam a suspeita de uso de drogas prescritas e a atuação dos médicos que trataram do astro, incluindo seu médico particular, Conrad Murray.

"O chefe-médico legista de Los Angeles, Dr. Sathyavagiswaran, indicou que reviu os resultados toxicológicos preliminares e sua avaliação preliminar sobre a morte de Jackson indica que resultou de doses letais de propofol (diprivan)", afirma o termo de um mandado de busca contra Murray expedido pela Califórnia.

O documento foi divulgado pelo condado de Harris, em Houston, onde Murray tem consultórios que foram alvo de uma operação de busca de provas em 22 de julho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.