Suspeito de chefiar orgia na cadeia, agente é preso em MG

Agente penitenciário é acusado de fazer festas com garotas de programa na cadeia, falsidade ideológica e falsificar documentos

Denise Motta, iG Minas Gerais |

O agente penitenciário da cadeia de Jaboticatubas (Grande Belo Horizonte) Marcelo de Almeida Costa, de 34 anos, é investigado pela corregedoria da secretaria estadual de Defesa Social de Minas Gerais por promover festas com garotas de programa e bebidas alcoólicas no local de trabalho, durante seu turno de serviço, no ano passado. Mas não foram as festas as razões de sua prisão na manhã de terça-feira (6). Durante uma operação de busca e apreensão, policiais civis flagraram documentos falsos de registros de armas e identidade falsa, além de uma série de artefatos como bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e explosivos.

“A denúncia sobre festas com mulheres e cerveja no local de trabalho, a cadeia de Jaboticatubas, chegou ao conhecimento da corregedoria, que apura o caso desde o ano passado. Depois que começou a ser investigado, o agente começou a ameaçar policiais. Ele falsificou um registro de arma vencido e se passava por policial civil, usando camisa e boné, além de ter um distintivo falso. Ele também já esteve envolvido em ocorrência de tentativa de homicídio. Pelos crimes, pode cumprir 20 anos de cadeia”, informou ao iG o delegado Elias Oscar Oliveira, responsável pela prisão em flagrante do agente. O delegado ainda contou que o agente estava atualmente afastado de suas atividades graças a um atestado médico de problemas psiquiátricos.

Costa estava na sua casa em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, onde mora com a esposa, quando foi abordado por policiais civis em operação de busca e apreensão. Ele não reagiu à abordagem, segundo o delegado. Nenhum advogado do agente preso foi encontrado para comentar a série de denúncias contra ele, que não ficará detido na cadeia em que atuava, mas sim no presídio regional de Santa Luzia.

A assessoria de imprensa da secretaria estadual de Defesa Social informou que Costa é agente penitenciário contratado desde março de 2006 e que a corregedoria vai apurar, além das festas na cadeia, as denúncias recentes de falsidade ideológica, posse ilegal de arma e falsificação de documentos.

    Leia tudo sobre: agente penitenciárioorgiasfalsidade ideológicamg

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG