Procuradoria da República quer tombar legado material de Chico Xavier

MPF entrou com ação para não permitir desproteção e descaracterização dos bens do médium em Uberaba, Minas Gerais

Denise Motta, iG Minas Gerais |

AE
Chico Xavier em casa, três meses antes de morrer
Sob o argumento de preservar o patrimônio deixado pelo médium Chico Xavier, o Ministério Público Federal em Minas Gerais (MPF-MG) ajuizou uma ação civil pública. A ação pede o tombamento e a realização de um inventário de bens móveis e imóveis deixados pelo médium.

Xavier viveu parte de sua vida na cidade de Uberaba, a 475 quilômetros de Belo Horizonte. É lá onde estão seu túmulo, uma casa em que viveu e a Casa da Prece, entidade espírita fundada por ele. “O objetivo é o de impedir a evasão, destruição e descaracterização do patrimônio deixado por aquele que é considerado um dos maiores fenômenos religiosos de todos os tempos”, informou o MPF por meio de nota à imprensa.

Na ação, a procuradora da República Raquel Silvestre questiona a disposição de bens na casa de Chico, transformada em museu particular e administrada pelo filho adotivo do médium, Eurípedes dos Reis.

Mais notícias de Minas Gerais

O museu recebeu o nome de “Casa de Memórias e Lembranças” e no local estão pertences pessoais e psicografias. “O problema é que essa exposição requer medidas técnicas especiais como identificação, catalogação, ambientação, ou seja, requer um projeto museográfico, o que nunca foi feito”, alega a procuradora.

Ela também reclama de reformas feitas na casa em que o médium viveu por mais de 30 anos. “Estão sendo realizadas alterações estruturais no imóvel, sem qualquer auxílio de técnicas de preservação da identidade histórica e cultural do ambiente”, afirma ainda Raquel Silvestre.

O MPF em Minas informou ainda que uma visita técnica do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), entidade na qual o museu é registrado, indicou que não existem registros dos bens, controle ou segurança. O Ibram é uma autarquia vinculada ao Ministério da Cultura.

O iG entrou em contato com o museu e teve informações de uma funcionária de que o acervo do médium é muito bem cuidado. O filho adotivo de Chico foi procurado, mas não quis se manifestar sobre o caso, assim como a prefeitura, sob alegação de que ainda não houve qualquer notificação.

A procuradora destaca que o tombamento não fará com que Eurípedes perca a propriedade de nenhum bem.

"O atual proprietário dos bens deixados por Chico Xavier, Eurípedes Higino dos Reis, não tem com que se preocupar. O tombamento nada mais fará do que auxiliá-lo no controle e conservação dos bens, podendo trazer orientações técnicas e procedimentos adequados”, diz.

Além do museu, Uberaba abriga o túmulo de Chico Xavier. No ano passado, houve registro de ocorrência de tráfico de drogas no local . Outro local de peregrinação da doutrina espírita do médium é a Casa da Prece, um centro espírita. Perto dele, a prefeitura de Uberaba realiza obras de um memorial em homenagem ao Chico Xavier.

Autor de mais de 400 livros psicografados, o médium já teve sua história e seus livros transformados em filmes. Nascido em Pedro Leopoldo, a 41 quilômetros de Belo Horizonte, em 2 de abril de 1910, Chico Xavier faleceu em 30 de junho de 2002.

    Leia tudo sobre: chico xaviermédiumtombamentopatrimônio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG