Prefeitura de Belo Horizonte decreta estado de emergência

Cidade segue recomendação da Defesa Civil e aguarda publicação de decreto no Diário Oficial; 52 cidades já foram afetadas pelas chuvas deste ano

AE |

selo

A Prefeitura de Belo Horizonte decretou nesta sexta-feira estado de emergência após tempestade de aproximadamente 24h. O prefeito Marcio Lacerda (PSB) decidiu acatar a recomendação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) e anunciar a decisão. Com a publicação do decreto, que deve ser feita no sábado (17), o Executivo fica liberado de fazer licitação para contratar mão de obra e equipamentos para os reparos.

Estragos em Minas: Chuvas provocam alagamentos e estragos em Belo Horizonte

AE
Av. Cristiano Machado ficou alagada depois do rompimento de adutora. Chuva já superou índice do mês de dezembro

O problema atinge também vários municípios da região metropolitana da capital, além de outras áreas do Estado. Ontem, a Cedec confirmou também a segunda morte na temporada de chuvas deste ano em Minas Gerais, que já tem 52 cidades afetadas. 

Poliane Alves de Oliveira, de 27 anos, estava desaparecida desde o dia 19 de novembro, quando foi levada por uma enxurrada em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce. Ela havia tentado se esconder da chuva embaixo de uma ponte sobre o córrego Figueirinha com um rapaz, que também foi levado pela água, mas conseguiu escapar.

Vendaval e queda de granizo: Chuvas deixam cidades de Santa Catarina em emergência

O corpo de Poliane foi encontrado no dia 13, às margens do rio que dá nome à região, a cerca de 30 quilômetros do ponto de onde ela foi levada. A primeira morte causada pela chuva nesta temporada foi a de Admardo Pereira, atingido por uma árvore em 28 de outubro em Reduto, na Zona da Mata mineira. 

Alagamentos

Somente entre a quarta e a quinta-feira, Belo Horizonte foi atingida por 151 milímetros de chuva, mais da metade da média histórica do mês. Não houve registros de vítimas graves nesses dois dias, mas várias avenidas foram completamente alagadas.

A avenida Cristiano Machado, principal ligação do Centro de Belo Horizonte com a região norte e o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana, teve o tráfego totalmente interditado por aproximadamente 12 horas depois que o córrego do Onça transbordou, inundando casas e lojas e transformando a via em um rio. 

Leia também:

Tempestade em MG: Chuvas abrem buracos e derrubam árvores em Belo Horizonte

Problema com data marcada: "Eles serão menores, mas nós teremos prejuízo"

Previsão do tempo: Chuva em BH deve continuar nos próximos dias

Serviço: Antes de sair de casa ou do trabalho, veja como está o trânsito em BH

Outras vias da cidade também foram interditadas por causa da lama ou da queda de árvores. Já no bairro Gutierrez, a água abriu uma cratera na rua América Macedo, ameaçando o derrubar um muro sobre um prédio que tem parte de seus apartamentos abaixo do nível da rua. O muro foi escorado para evitar o desabamento.

Em Vespasiano, na região metropolitana da capital, todo o centro da cidade foi tomado pela água ontem depois que o Ribeirão da Mata transbordou. Também não houve registro de vítimas, mas várias casas foram invadidas pela lama. 

Em Ouro Preto, patrimônio cultural mundial, na região central de Minas, um casarão tombado pelo patrimônio histórico desabou. Segundo a Cedec, a queda parcial de uma residência na cidade deixou uma criança de dois anos parcialmente soterrada. Os próprios familiares conseguiram retirá-la dos escombros.

Ainda de acordo com a Cedec, a chuva já afetou 21,4 mil pessoas em Minas Gerais, sendo que 459 ficaram desalojados e 30, desabrigados. Em todo o Estado, a chuva já destruiu 38 casas e seis pontes e danificou 1.409 residências.

    Leia tudo sobre: chuvasbelo horizonteestado de emergência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG