Policial federal e denunciante de juíza ficam feridos em troca de tiros em BH

Disparos teriam sido feitos após discussão no bairro Trevo, em Belo Horizonte; feridos foram levados ao hospital Risoleta Neves

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Um policial federal e um denunciante de uma juíza ficaram feridos durante troca de tiros nesta terça-feira no bairro Trevo, na região da Pampulha, em Belo Horizonte. O agente federal Eduardo de Paula Pinho Tavares, de 40 anos, foi atingido por três tiros no braço e tórax. Socorrido, ele foi levado ao hospital Risoleta Neves. Conforme nota divulgada pela Polícia Federal no começo desta noite, ele passa bem após cirurgia.

Leia mais notícias de Minas Gerais

O segundo homem ferido é Wallington Aparecido Caldeira Cruz, de 46 anos. Conforme a PF, teria partido da arma dele os tiros que feriram o policial federal. Com escoriações, ele foi medicado, liberado do hospital e preso em flagrante por dupla tentativa de homicídio, porte ilegal de arma e dano ao patrimônio público. Um filho dele, de 23 anos, também foi encaminhado à Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem, Grande BH, pelos mesmos crimes.

Um carro descaracterizado da PF estava em frente a uma residência e Cruz, em outro carro, teria confundido dois policiais - que estavam à paisana - com assaltantes. De acordo com a PF, Cruz “se identificou falsamente como policial civil e de posse de um revólver calibre 38 efetuou seis disparos contra os policiais federais, mas somente um foi ferido com três tiros”. O policial federal ferido também efetuou disparos contra o veículo onde estavam Cruz e seu filho, mas eles não foram atingidos.

À Polícia Militar, Cruz afirmou ser segurança do deputado estadual petista Durval Ângelo, que negou qualquer relação profissional com ele. Atualmente, o parlamentar é presidente da Comissão de Direitos Humanos do Legislativo. Em nota, o deputado citou que Wallington o procurou há seis anos.

Leia também: Uma pessoa é assassinada a cada três horas em Minas Gerais

“A relação de Wallington com o mandato de Durval Ângelo se deu em 2006, quando o mesmo procurou a Comissão de Direitos Humanos para formular denúncia contra funcionários do Fórum de Esmeraldas, incluindo a juíza Maria José Starling, à época titular da comarca, de integrarem esquema de venda de carteiras e portes de armas”.

A juíza Maria José Starling, de Esmeraldas, na Grande Belo Horizonte, é investigada pela corregedoria do Tribunal de Justiça por envolvimento em um suposto esquema de venda de liberdade ao ex-goleiro Bruno Fernandes de Souza. Preso por envolvimento no desaparecimento de Eliza Samúdio, Bruno aguarda julgamento na Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem, na Grande Belo Horizonte.

    Leia tudo sobre: tiroteiopolicial federalcaso bruno

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG