Família vai à Justiça para tentar salvar a vida do filho

Pedro Arthur respira por aparelhos e precisa de um marca-passo no diafragma. Minas se recusa: cirurgia não está na lista do SUS

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Pedro Arthur, de oito anos, é tetraplégico e não consegue puxar o ar aos pulmões desde que foi vítima de uma meningite , quando tinha um ano e meio. Ele precisa de um tubo atravessado em sua traquéia, conectado a um equipamento que lhe permite respirar. Porém, ele tem chances reais de conseguir ter um pouco de independência: ele é candidato a ser a primeira criança da América do Sul a receber um marca-passo diafragmático, fazendo com que não precise mais respirar com a ajuda de uma bateria carregada na tomada. É ai que começam seus problemas.

Divulgação
Pedro Arthur se encontra com Aécio, em 2009
A Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais recusa o procedimento ao garoto com a justificativa de que não consta na tabela do Sistema Único de Saúde (SUS). Os pais acionaram nesta terça-feira (04) o governo mineiro para que a criança vença mais este obstáculo. A meningite é uma inflamação de membranas no cérebro e na medula espinhal. Muitas vezes seus sintomas são silenciosos, como foi o caso de Pedro Arthur.

O único local habilitado para operá-lo é o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. O médico Rodrigo Sardenberg foi recentemente a Belo Horizonte avaliar a criança. O médico explica que pacientes como o garoto geralmente morrem de infecção generalizada causada por pneumonia. Ele explicou ao iG que a cirurgia não é experimental e que 3.000 pessoas em todo mundo já passaram por este procedimento.

Não está na tabela do SUS porque é um procedimento recente no Brasil. Mas é preciso que as pessoas saibam. Infelizmente, neste começo, as coisas vão funcionar assim, na força"

“A ideia do marcapasso é fazer com que o diafragma dele funcione. Com isso, ele melhora demais a qualidade de vida, a mobilidade e diminui a chance de contrair pneumonia. Esse procedimento começou a ser feito em 1982 e é muito comum nos Estados Unidos e na Europa. Não está na tabela do SUS porque é um procedimento recente no Brasil. Mas é preciso que as pessoas saibam. Infelizmente, neste começo, as coisas vão funcionar assim, na força. De cada 100 pacientes que fazem essa cirurgia, 95 não têm problema algum”, disse o médico ao iG .

Em nota, a secretaria de saúde mineira diz que, por não estar entre os procedimentos previstos pela tabela do SUS, “irá aguardar e acatar a decisão judicial”. O mandado de segurança foi protocolado nesta terça no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e já está em fase de conclusão para despacho do relator, desembargador Dárcio Lopardi Mendes.

“O pai do Pedro é militante e foi responsável pela inclusão da meningite no calendário nacional de vacinas. A luta dele é a luta de muitos. O direito à saúde e à vida é amplo e irrestrito de acordo com a Constituição. O rol de procedimentos do SUS não pode valer mais que a Constituição Federal. Além disso, a Constituição do Estado de Minas Gerais ainda fala que o direito à saúde e à vida é irrestrito para criança e portador de deficiência”, explica o advogado Frederico Damato. O pai criou o Instituto Pedro Arthur para ajudar vítimas da doença.

Pedro Arthur

Arquivo pessoal
O sorriso de Pedro Arthur
As dificuldades de Pedro Arthur nunca foram motivo para o garoto deixar de sorrir. Apesar dos problemas, ele tem todas as funções mentais preservadas. Aluno regular do segundo ano do ensino fundamental, portanto, nunca repetente, ele faz aulas de inglês e se destaca na turma, conta o pai, Rodrigo Diniz. “Ele sabe da cirurgia e está muito ansioso. Infelizmente, pegou uma pneumonia há duas semanas e agora se recuperou, até foi à escola. Por causa da exposição da via respiratória ele tem muita pneumonia”, explica.

Sua luta e sua história impressionaram o então governador Aécio Neves (PSDB) que o chamou para assistir a um jogo do Cruzeiro no Mineirão, estádio de Belo Horizonte. Pedro não respira naturalmente e não anda, mas fala e adora conversar sobre seu time do coração, o Cruzeiro, apesar da fase ruim no Campeonato Brasileiro. O garoto e o hoje senador Aécio Neves se encontraram pela última vez em novembro de 2009, quando foi anunciado o calendário de vacinação contra a meningite.

Ele corre o risco de morrer nesta condição porque a pneumonia é constante e em qualquer internação vai direto para o CTI "

“Ele (Pedro Arthur) nos surpreende a cada dia. O dia a dia dele é cansativo, tem fisioterapia, uma correria. Ele corre o risco de morrer nesta condição porque a pneumonia é sempre constante e em qualquer internação vai direto para o CTI (Centro de Tratamento Intensivo). Sei que a luta é árdua, mas vamos conquistar a vitória”, diz o pai da criança que adaptou em seu carro um sistema para recarregar a bateria do aparelho respiratório do filho, cuja duração é de seis horas. “Em caso de blecaute temos que correr para o carro ou procurar um lugar com energia”.

Ansioso, o médico Rodrigo Sardenberg conta ainda que a luta constante pela sobrevivência muda a sua rotina. “Eu vejo a cada dia as famílias ansiosas, o paciente ansioso e eu também fico desta forma. O médico que convive com isso vive essa angústia, pois o paciente vive um caso triste na vida por um episódio acidental. E nós podemos mudar isso”.

    Leia tudo sobre: pedro arthurMeningiteminas gerais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG