Em Minas, pelo menos 10 morrem com remédio manipulado

Segundo apuração inicial, matéria-prima pode ter sido trocada. Desta forma, pessoas teriam tomado grandes doses contra hipertensão

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Voltou a subir o número de vítimas por suposta ingestão de medicamento manipulado pela Fórmula Pharma, de Teófilo Otoni, a 430 quilômetros de Belo Horizonte. A Secretaria Estadual de Saúde informou nesta quinta-feira (15) que já chega a 10 o número de pessoas que teriam ingerido Secnidazol 500 mg, medicamento usualmente indicado para tratamento de doenças ginecológicas, como candidíase. A secretaria iniciou a investigação sobre o caso no início deste mês, após as mortes de oito pessoas.

Entenda: No começo, oito pessoas morreram após tomarem medicamento manipulado

Epidemia: Em 10 anos, País acumula 308 mil casos de intoxicação por remédio

null

A secretaria suspeita que a matéria-prima do medicamento tenha sido trocada. Pelos sintomas das pessoas que morreram, há possibilidade de elas terem ingerido anti-hipertensivo (metaprolol) em uma dosagem até 40 vezes maior que o indicado.

Os sintomas são queda de pressão arterial (hipotensão), batimento cardíaco reduzido (braquicardia), dor no peito, arroxeamento da pele (cianose) e sensação de desmaio. O que reforça esta tese são os sintomas relatados por familiares das vítimas como queda de pressão, batimento cardíaco reduzido, dor no peito, arroxeamento da pele e sensação de desmaio.

A Secretaria Estadual de Saúde levantou a informação de que um lote de 180 cápsulas do Secnidazol estaria relacionado às mortes. Deste total, ainda faltam localizar 62 pílulas. Pessoas que tiverem em casa o medicamento, manipulado pela Fórmula Pharma, devem interromper imediatamente o uso do remédio e entregá-lo na Secretaria Municipal de Saúde.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG