Bolsa Família será antecipado para cidades em emergência de MG

Famílias poderão sacar o pagamento de janeiro no dia 18, primeiro dia de repasse do benefício

iG São Paulo |

O pagamento do Programa Bolsa Família será antecipado aos moradores dos municípios de Minas Gerais atingidos pelas chuvas. Todos as famílias incluídas no programa que vivem nas cidades listadas pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) poderão sacar o pagamento de janeiro no dia 18, primeiro dia de repasse do benefício. Normalmente, o pagamento é feito de acordo com o número de inscrição do beneficiário do programa, com alguns dias de diferença entre os primeiros e os últimos beneficiários.

Calamidade : Defesa Civil investiga três novas mortes em Minas Gerais
Chuvas no País: Dilma volta a Brasília e faz reunião com ministra da Casa Civil
Crise: Ministro quis usar verba do Rio São Francisco em barragem de Pernambuco

Entre as cidades que terão o pagamento unificado, estão a capital, Belo Horizonte, e os municípios de Raposos, Brumadinho, Itabirito, Congonhas, que registraram grandes prejuízos com as enchentes. Quem perdeu documentos pessoais ou o cartão de saque do benefício deve procurar as prefeituras para emissão da Declaração Especial de Pagamento, que autoriza o saque em uma agência bancária, de acordo com o MDS. O documento, de caráter provisório, só é emitido em situações de emergência.

A Defesa Civil mineira estima que 2 milhões de pessoas em todo o Estado tenham sido afetadas pelas chuvas. Quase dez mil estão desalojadas e 512 desabrigadas. Pelo menos oito pessoas morreram.

Governo de Minas

O governo mineiro anunciou medidas para auxiliar as vítimas das enchentes e estimular as atividades empresariais. As iniciativas beneficiarão os moradores e empresários de cidades em situação de emergência. As contas de luz e água terão mais prazo para serem pagas e haverá financiamento para recuperação de perdas matérias com as chuvas.

Cidades: Governador Valadares decreta estado de calamidade pública

A partir do consumo médio dos últimos meses, a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) vai calcular o que os moradores das cidades afetadas terão que pagar na conta de água até que a situação seja normalizada. No caso da Defesa Civil do estado identificar que o imóvel está gravemente comprometido, será cobrado o valor do consumo mínimo.

Além disso, as contas com venciemtno hoje vão ter seus prazos prorrogados por 15 dias e os usuários poderão pedir que as datas de vencimento sejam alteradas ou solicitar o parcelamento da dívida.

Governo: Anastasia quer R$ 1,5 bilhão de Dilma para obras contra enchentes

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) também deverá prorrogar a data de vencimento das contas de luz e poderá, no caso em que o consumidor tiver duas contas em seu nome, dividir os valores acumulados em pelo menos duas parcelas.

O governo estadual também vai adiantar os recursos do Piso Mineiro de Assistência Social dos próximos seis meses aos municípios em situação de emergência que tenham direito ao benefício em 2012. Cada cidade poderá utilizar o recurso conforme suas necessidades para serviços socioassistenciais.

Para manter a atividade econômica e garantir emprego e renda à população, será criado o Programa Emergencial de Socorro a Empresas e Cooperativas com Empreendimentos Afetados por Chuvas Intensas. Serão R$ 30 milhões destinados ao apoio financeiro para reparação de danos causados a micro e pequenas empresas e cooperativas de municípios em estado de calamidade pública, situação de emergência ou em áreas ou regiões de cidades atingidas. Os recursos virão do Fundo de Fomento e Desenvolvimento Socioeconômico estadual (Fundese), gerido pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais.

Os pedidos de financiamento deverão ser protocolados até 31 de maio. O valor do financiamento deverá ser de, no mínimo, R$ 5 mil e, no máximo, R$ 100 mil, limitado a 20% do valor do faturamento anual do solicitante, que deverá entrar com uma contrapartida de 10% do total obtido. Os prazos para financiamento são de até 36 meses, com juros de 6% ao ano, cobrados trimestralmente durante o período de carência.

* Com Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG