Anastasia relaciona “mudança no regime das chuvas” a estragos

De 853 cidades, 70 foram afetadas, sendo 21 em estado de emergência

Denise Motta, iG Minas Gerais |

AE
Vista do Rio Arrudas, próximo ao bairro Granja de Freitas, em Belo Horizonte, na segunda-feira
O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB), afirmou nesta terça-feira (20) que os alertas de eventos adversos relacionados às chuvas tem sido bem feitos no sentido de prevenir mortes. Até agora, Minas contabiliza duas mortes, mas houve ocorrência fatais relacionadas indiretamente com a força das águas nesta semana. Ao comentar a situação, Anastasia lembrou o caso da cidade de Florestal, na Grande Belo Horizonte. “Em Florestal, o município foi muito atingido, tivemos uma tromba d'água que arrasou a cidade, mas não houveram perdas humanas. O alerta da prevenção tem sido bem feito pela Defesa Social”.

Estragos: Com previsão de mais chuva, Minas tenta contar estragos

O governador ressaltou que toma medidas para evitar mortes em decorrência de “mudança no regime de chuvas” neste mês de dezembro. Ele lamentou a morte de duas pessoas por causa das chuvas e disse que em breve terá um levantamento sobre o aumento do índice pluviométrico durante o mês de dezembro, nos últimos três anos.

“De fato, há uma mudança no regime das chuvas. Nossa prioridade absoluta é evitar perdas humanas. Temos investimento no treinamento e na articulação da Defesa Civil com a comissão estadual para continuarem emitindo alertas em áreas que a qualquer momento haja perigo de perda humana. Infelizmente tivemos duas perdas, mas eu gostaria muito que isso não ocorresse”, destacou em entrevista.

Leia também:

Tempestade em MG: Chuvas abrem buracos e derrubam árvores em Belo Horizonte

Destruição: Chuvas provocam alagamentos e estragos em Belo Horizonte

Problema com data marcada: "Eles serão menores, mas nós teremos prejuízo"

Boletim divulgado pela Defesa Civil de Minas Gerais indica que já chega a 70 o número de cidades afetadas pelas chuvas. Deste total, 21 decretaram situação de emergência, incluindo a capital mineira, Belo Horizonte . Minas Gerais possui 853 cidades. Apesar da chuva, ano após ano, sempre superar as expectativas, Anastasia disse que o poder público tem feito a sua parte. “As obras de prevenção, contenção, dragagem estão sendo feitas pela Prefeitura de Belo Horizonte e em vários municípios, como medidas permanentes para minimizar essa mudança do perfil pluviométrico”, afirmou o tucano.

A Defesa Civil informou que, nesta segunda (20), uma criança de dois anos morreu em Iraí de Minas, a 466 quilômetros de Belo Horizonte, após cair em um “bolsão” de contenção de enxurradas. Em Belo Horizonte, um operário morreu soterrado em uma obra após deslizamento. Também nesta segunda, em São João do Oriente, a 233 quilômetros da capital, um homem de 36 anos morreu afogado ao nadar em um rio que estava cheio por causa das últimas chuvas. Todas estas vítimas não são contabilizadas como relacionadas às chuvas.

Nos dados oficiais existem apenas duas vítimas. Admardo Pereira, 43 anos, foi atingido por uma árvore durante um temporal, em Reduto a 294 quilômetros de Belo Horizonte, no dia 18 de outubro. Poliane Alves de Oliveira, 27 anos, morreu 19 de novembro. Ela foi carregada pelas águas após um córrego transbordar em Governador Valadares, distante 327 quilômetros da capital.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG