400 operários pedem demissão após colega morrer com meningite

Eles decidiram sair de Minas Gerais e voltar aos seus Estados. Doença é transmitida pelo ar. Todos trabalhavam na mesma usina

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Cerca de 400 trabalhadores da região Nordeste do país retornam às suas cidades de origem, na tarde desta quarta-feira (19), após a morte de José Antônio da Silva, de 19 anos, operário da construtora Paranasa e recrutado para trabalhar em obras de ampliação da usina Gerdau na cidade de Ouro Branco, a 116 quilômetros de Belo Horizonte.

Entenda: saiba o que é a meningite, como diagnosticar e tratar

Reprodução/Google Maps
Ouro Branco fica a 116 quilômetros de Belo Horizonte
Silva morreu na última sexta-feira (14) em decorrência de meningite tipo C, o mais grave tipo da doença. Um outro operário também foi diagnosticado com meningite e segue internado e um terceiro caso está sendo investigado. A meningite é uma infecção nas meninges, membranas que recobrem o sistema nervoso central, e sua transmissão é pelo ar.

A assessoria de imprensa da Paranasa informou que a empresa custeará o transporte e alimentação dos 400 trabalhadores e que, apesar de a demissão ter partido dos trabalhadores, o acerto será como se eles tivessem sido demitidos, ou seja, os operários receberão indenização. A empresa também disse ter custeado as despesas de transporte do corpo do operário que morreu para Sergipe, seu Estado natal. Em comunicado, a Gerdau lamentou a morte de Silva.

Internações

Outros 18 trabalhadores foram internados com suspeita da doença, de acordo com informações da prefeitura. Mais de 1.200 pessoas envolvidas com a obra foram medicadas com antibiótico em uma tentativa da prefeitura de conter uma epidemia da doença. De acordo com a secretaria estadual de Saúde, após 24h em que é realizado o procedimento de quimioprofilaxia a bactéria é erradicada do organismo, o que impede a pessoa de desenvolver e transmitir a doença.

Em nota, a prefeitura de Ouro Branco informou que atualmente 16 pessoas com suspeita de ter a doença permanecem internadas, todas com evolução positiva do quadro clínico. Elas forneceram material para realização de exames a fim de confirmar ou não se têm meningite. Os resultados devem ser divulgados ainda nesta quarta-feira (19), informou também a prefeitura.

A vacinação de toda população ainda não está descartada. Ouro Branco possui cerca de 33.500 habitantes. “Desde o último sábado (15), o município está contando com o apoio das equipes da Vigilância Sanitária e Epidemiológica da Superintendência Regional de Barbacena, tanto na tomada das ações, como também na elaboração do relatório que vai ser enviado para Secretaria de Estado da Saúde e Ministério da Saúde. Este relatório é que vai subsidiar a decisão da necessidade ou não de se vacinar a população”.

Por meio de nota, o secretário estadual de Saúde de Minas, Antônio Jorge de Souza Marques,descartou o uso de vacina para conter a doença, sob argumento de que ela demora de 15 a 20 dias para fazer efeito e a bactéria ou vírus da meningite também podem ficar incubados no organismo pelo mesmo período.

De janeiro a outubro deste ano, foram notificados, até o momento, 792 casos de meningite em Minas Gerais. Deste total, 117 pessoas morreram. Em Ouro Branco, foram nove casos, sendo duas mortes. Além do operário da Paranasa, uma outra pessoa morreu no mês de agosto.

    Leia tudo sobre: ouro brancoMeningitegerdau

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG