Dez jovens de classe alta são presos por tráfico em Minas Gerais

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Foram apreendidos mais de 2 mil comprimidos de ecstasy, remédios anabolizantes e R$ 10 mil

Agência Estado

Dez jovens foram presos por tráfico e associação para o tráfico em Araguari, no Triângulo Mineiro. Filmagem de um deles cheirando lança-perfume e dirigindo na rodovia foi apreendida pela polícia. Em outro vídeo, o mesmo jovem se diverte e bebe sentado como copiloto de um helicóptero. Com o grupo foram apreendidos até agora mais de 2 mil comprimidos de ecstasy, remédios anabolizantes, veículos de luxo, munições de uso restrito e R$ 10 mil.

Leia mais: Governo espera recuperar R$ 14 bilhões desviados por corrupção, evasão e tráfico

A investigação durou meses e agentes se infiltraram em festas de classe alta para fazer o flagrante. Também foram realizadas escutas telefônicas que comprovariam o crime. O grupo agia em boates e festas em Araguari e em cidades como Uberlândia e Uberaba.

As prisões começaram no início deste mês, mas somente agora os vídeos do rapaz no helicóptero e no carro foram divulgados. Policiais civis também fizeram filmagens dos acusados no interior das festas. "São gestos estranhos e que dão a entender que realmente estariam praticando o tráfico", diz o delegado Fernando Storti.

Escutas telefônicas autorizadas pela Justiça também comprometem os acusados, já que há diálogos em que eles falam em comprar "bala" - gíria usada no comércio do ecstasy. Segundo a polícia, para não ser descoberta a quadrilha usava olheiros que ficavam em pontos estratégicos e enviavam mensagens via celular caso notassem algo estranho.

Poder

Outros dois jovens fugiram e são procurados e mais seis suspeitos estão sendo investigados. Todos os envolvidos têm na faixa de 20 a 30 anos e são filhos de empresário, advogado, fazendeiro, entre outros.

A reportagem não conseguiu contato com os acusados, mas os advogados, incluindo o de Alison de Freitas Neto - que aparece no helicóptero, alegam falhas nas investigações. Dizem que os envolvidos são todos amigos e que, por usarem drogas, isso gerou a confusão. Mas que nenhum deles teria qualquer relação com o tráfico.

Leia tudo sobre: tráficominas gerais

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas