Justiça de MG proíbe fiscais e PMs de recolher pertences de moradores de rua

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Juíza avaliou que prática adotada é "compatível com o extermínio desse segmento populacional"

Agência Estado

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) proibiu a prefeitura de Belo Horizonte e o governo do Estado de recolher pertences de moradores de rua na capital mineira. A decisão diz respeito a denúncia de que fiscais da prefeitura, com apoio de policiais militares, recolhiam cobertores, remédios, roupas, alimentos e até documentos pessoais, "diminuindo assim as possibilidades de sobrevivência" dos moradores. De acordo com a desembargadora Teresa Cristina da Cunha Peixoto, da 8.ª Vara Cível do TJMG, a apreensão dos objetos, principalmente documentos de identificação, "torna-se prática compatível com o extermínio desse segmento populacional".

Leia também: São Paulo adere à política nacional para a população em situação de rua

AE
Morador de rua tenta se proteger do frio na praça da República, no centro de São Paulo

Cristina observou que há provas no processo de que "os agentes do Estado e do município afrontaram preceitos éticos em suas condutas de fiscalização, incorrendo em imoralidade" ao retirar os pertences dos moradores de rua - com exceção de objetos ilícitos. Ela afirmou que uma parcela dessa população "geralmente influenciada pelas drogas, vive a par da legalidade, praticando delitos e causando insegurança", o que "deve ser repelido".

Mas, de acordo com Cristina, "penalizar as pessoas em situação de rua com a retirada de pertences que lhe permitem um mínimo de dignidade, afronta a razoabilidade e outros princípios que norteiam a administração pública". A desembargadora ainda citou parecer do Ministério Público Estadual (MPE), segundo o qual "esse grupo populacional já vem sofrendo toda sorte de lesões, na medida em que os agentes municipais, com o resguardo da Polícia Militar, têm procedido à apreensão, recolhimento e destruição de objetos pessoais de suma importância para essas pessoas".

Mais: ‘Troquei R$ 20 mil por uma família’, diz ex-morador de rua

O voto de Cristina foi seguido pelos desembargadores Bitencourt Marcondes e Alyrio Ramos e reverteu decisão do juiz Adriano de Mesquita Carneiro, da 5.ª Vara da Fazenda Pública Estadual e Autarquias da capital de Minas Gerais, que negou liminar proibindo as apreensões. Por meio da assessoria, a prefeitura afirmou que ainda analisará o caso para decidir se recorre da decisão. A Secretaria Municipal de Políticas Sociais afirmou que o recolhimento de objetos de moradores de ruas ocorre apenas quando a pessoa ocupa o espaço impedindo o uso pelos demais cidadãos, como a montagem de uma barraca, mas afirmou que a orientação é para que não seja recolhida nenhuma peça pessoal.

Apenas este ano, 18 moradores de rua foram assassinados na capital de Minas. Conforme o Centro Nacional de Defesa de Direitos Humanos da População de Rua, cem dessas pessoas já foram mortas na capital desde abril de 2011, quando foi iniciado o monitoramento deste tipo de crime. Os dois últimos assassinatos aconteceram no início de junho. Atualmente, cerca de 2 mil pessoas vivem nesta situação na cidade.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas