Corpo de jovem que caiu de viaduto em BH é liberado; outro ferido está internado

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Douglas Souza foi uma das seis pessoas que caíram do mesmo viaduto durante os protestos na capital mineira

Agência Estado

O corpo do metalúrgico Douglas Henrique de Oliveira Souza, de 21 anos, foi liberado nesta quinta-feira do Instituto Médico-Legal (IML) de Belo Horizonte. Souza morreu depois de cair de um viaduto durante manifestação realizada nesta quarta-feira, 26, na região da Pampulha, que terminou com um confronto entre manifestantes e policiais que deixou ao menos mais 14 feridos. Um deles continuava internado nesta quinta-feira.

Veja abaixo o vídeo que mostra o momento da queda do estudante:

Pela manhã, dez pessoas que haviam sido encaminhadas para o Hospital de Pronto-Socorro João 23 (HPS) já haviam sido liberadas. Uma delas foi Daniel de Oliveira Martins, de 28 anos, que também caiu do Viaduto José Alencar no protesto, sofreu fratura exposta num braço e deixou a unidade médica por volta das 9h30.

Já Tiago Antunes, de 24 anos, foi transferido, a pedido da família, para um hospital particular. Antunes foi atingido por um tiro de bala de borracha no olho direito e corre risco de perder a visão. Outras pessoas que sofreram ferimentos leves durante o embate na Pampulha foram atendidas no local dos confrontos por um grupo de médicos voluntários.

Mais:
Manifestantes voltam às ruas de BH e têm novo confronto com a PM
Brasília:
Manifestação tem confronto com a PM e 30 são presos

Símbolo

Nesta quinta, a irmã de Souza, Letícia Aparecida de Oliveira, esteve no IML para liberar o corpo dele, que foi encaminhado para ser velado e enterrado em Curvelo, na região central de Minas Gerais, onde mora a família do rapaz. Aparecida afirmou que a mãe, Neide Maria de Oliveira Souza, pediu ao filho que não participasse das manifestações, mas o rapaz não atendeu ao apelo.

De acordo com a irmã de Souza, ele tornou-se um "símbolo" da luta por melhoria na qualidade dos serviços públicos e contra a corrupção que levou milhões de manifestantes às ruas de diversas cidades do País nas últimas duas semanas. "Queria que ele fosse lembrado pelo que ele fez porque estava lá representando quem não pôde ir, quem não teve coragem de ir", afirmou.

Além de Souza e Martins, outras quatro pessoas caíram do viaduto desde o início dos protestos na capital de Minas, no dia 15. A estrutura dá acesso da avenida Presidente Antônio Carlos para a Antônio Abrahão Caram. Apesar de o metalúrgico ter sofrido a queda antes do início do confronto entre vândalos e militares, o local foi palco de embates porque fica pouco antes do cordão de isolamento que a Polícia Militar (PM) montou nas manifestações para impedir que as passeatas chegassem ao Estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão, onde foram realizados jogos da Copa das Confederações, um dos alvos dos protestos.

Em entrevista à Rede Globo de Televisão na tarde de hoje, o comandante da PM, coronel Márcio Sant'Ana, observou que o viaduto não foi feito para a passagem de pedestres e apresenta risco para os transeuntes porque não tem calçadas, a pista é elevada e as muretas de proteção, baixas. "As pessoas ficam quase inclinadas", disse, lembrando que, na quarta-feira, havia até pais com crianças no viaduto que se recusavam a atender aos pedidos de policiais para deixar o local. Entre os que caíram da estrutura nas manifestações, estão Caio Augusto Costa Lopes, de 17 anos, e Luiz Felipe de Almeida, de 22, que sofreram fraturas nos braços e pernas

Grupo violento de manifestantes coloca fogo em objetos em rua de Belo Horizonte. Foto: Oslaim Brito/Futura PressConfronto desta quarta-feira (26) teria começado após a chegada ao estádio do Mineirão, em Belo Horizonte. Foto: Marcus Vieira/O Tempo/Futura PressConfronto desta quarta-feira (26) teria começado após a chegada ao estádio do Mineirão, em Belo Horizonte. Foto: Marcus Vieira/O Tempo/Futura PressConcentração ocorreu na Praça Sete, centrode BH. Após voto, manifestantes caminharam em direção ao Mineirão. Foto: Lucas Prates/Hoje em Dia/Futura PressReforço da segurança antes da partida entre Brasil e Uruguai no estádio Mineirão em Belo Horizonte (MG), nesta quarta-feira (26). Foto: Futura PressReforço da segurança antes da partida entre Brasil e Uruguai no estádio Mineirão em Belo Horizonte (MG), nesta quarta-feira (26). Foto: Futura PressMovimentação da torcida antes da partida entre Brasil e Uruguai no estádio Mineirão em Belo Horizonte (MG), nesta quarta-feira (26). Foto: Futura PressMovimentação da torcida antes da partida entre Brasil e Uruguai no estádio Mineirão em Belo Horizonte (MG), nesta quarta-feira (26). Foto: Futura PressProtesto de moradores do bairro Castanheiras bloqueia o km 302 da MG-262, em Sabará (MG). Foto: Denilton Dias/O Tempo/Futura PressProtesto de moradores do bairro Castanheiras bloqueia o km 302 da MG-262, sobre o trevo que leva ao bairro General Carneiro em Sabará (MG). Foto: Futura PressProtesto de moradores do bairro Castanheiras bloqueia o km 302 da MG-262, sobre o trevo que leva ao bairro General Carneiro em Sabará (MG). Foto: Futura PressProtesto de moradores do bairro Castanheiras bloqueia o km 302 da MG-262, sobre o trevo que leva ao bairro General Carneiro em Sabará (MG). Foto: Futura PressProtesto de moradores do bairro Castanheiras bloqueia o km 302 da MG-262, sobre o trevo que leva ao bairro General Carneiro em Sabará (MG). Foto: Futura Press

Prisões

A Polícia Civil anunciou que desta quarta até a manhã de quinta-feira foram presos 79 adultos e apreendidos 30 adolescentes acusados de participação nos tumultos durante as manifestações. Do total de conduzidos, 26 ficaram presos porque foram autuados em flagrante por furtos, roubos e danos ao patrimônio público. Os demais foram ouvidos e liberados, pois a legislação brasileira considera atos de vandalismo crime de menor potencial ofensivo.

Entre os menores, 18 ficaram apreendidos e 13 foram liberados por, segundo a polícia, "estarem envolvidos em episódios de menor gravidade". Ainda conforme a corporação, todos que foram liberados continuam a ser monitorados. Antes do ato de quarta-feira, agentes capturaram quatro acusados de envolvimento em confrontos registrados em outros protestos que tiveram as prisões temporárias decretadas pela Justiça. Também foram apreendidos dois adolescentes por determinação do Judiciário, a pedido da Polícia Civil.

"Lamentavelmente, nós vimos o que aconteceu. Temos de identificar agora quem são essas pessoas", afirmou o governador Antônio Anastasia (PSDB), referindo-se às investigações que indicam uma organização e premeditação das ações dos arruaceiros. "Já fizemos várias prisões. Porque uma coisa é a manifestação pacífica, perfeitamente democrática, necessária para a pessoa manifestar sua indignação. Outra coisa são as cenas de barbárie a que nós assistimos em Belo Horizonte. Nós temos de saber de onde está vindo isso", acrescentou.

Limpeza

Quinta foi dia de limpeza e de contabilizar os prejuízos causados pelos atos de baderneiros durante a manifestação na região da Pampulha. Os restos de um caminhão, três automóveis e quatro motos que foram queimados pelo grupo foram retirados da Avenida Presidente Antônio Carlos e levados para ruas próximas. Pelo menos outras seis motocicletas retiradas de uma concessionária da Honda invadida pelo grupo também foram danificadas.

Enquanto isso, empresários e funcionários dos estabelecimentos atacados pelos baderneiros tentavam retomar o trabalho em meio à destruição. Além da loja da Honda, cinco concessionárias de automóveis foram completamente destruídas. Ao menos três dessas concessionárias já haviam sido atacadas durante protesto que também terminou em confronto no sábado, 22, e mesmo com tapumes nas fachadas voltaram a ser alvos dos vândalos.

Leia tudo sobre: GERAL

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas