Ex-delegado é acusado de maltratar leão em Minas Gerais

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Operação do Ibama na fazenda de ex-delegado e apreendeu 15 animais silvestres que eram mantidos sem licença ambiental

Agência Estado

Um ex-delegado da Polícia Civil de Minas Gerais, João Pedro de Resende, está sendo acusado de maus-tratos contra animais. Denúncia do Ministério Público sobre a presença de um leão em sua fazenda, no município de Pains (MG), levou ao local agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Centro de Triagem de Animais Silvestres de Belo Horizonte.

Leia também: Suposto leão assusta moradores de pequena cidade em São Paulo

Eles fizeram uma operação na propriedade nesta quarta-feira (15) e apreenderam 15 animais silvestres que eram mantidos sem licença ambiental. O ex-delegado não estava na fazenda, mas responderá na Justiça e terá de pagar multas que somadas passam de R$ 20 mil. Também poderá ser responsabilizado por ter prejudicado a fiscalização, pois teria desaparecido com o leão antes da chegada dos agentes.

A denúncia chegou ao MP e à Corregedoria da Polícia Civil ainda no mês passado e, na ocasião, teria sido constatada a presença do leão bastante desidratado e de outros bichos. O dono recebeu um prazo para apresentar documentação, coisa que não foi feita. Dessa vez, o leão já não estava no local, mas foram flagrados tartarugas, tucano, pintassilgos e canários da terra.

Por telefone, Resende falou aos agentes ter passado o leão a pessoas de São Paulo, sendo notificado para que apresente o endereço em 48 horas. O ex-delegado, que foi chefe do Departamento de Polícia Civil de Formiga (MG), não foi localizado pela reportagem para falar sobre o caso. Vale destacar que não é permitida por lei a doação de animal silvestre. E o Ibama também não autoriza a posse de nenhuma espécie que não tenha comprovante de origem legal.

Leia tudo sobre: leãomaus-tratospains

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas