No sexto dia de julgamento, Marcos Aparecido dos Santos afirmou que estava debilitado e sem condições emocionais de responder às perguntas

Bola se recusa a responder perguntas de promotor no sexto dia de julgamento em Contagem (MG)
Renata Caldeira / TJMG
Bola se recusa a responder perguntas de promotor no sexto dia de julgamento em Contagem (MG)

O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, se negou a responder as perguntas do promotor Henry Wagner Vasconcelos, neste sábado (27) durante julgamento no Fórum Criminal de Contagem, em Minas Gerais. Bola é acusado por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver da ex-modelo Eliza Samudio.

Marcos Aparecido dos Santos afirmou que estava debilitado e sem condições emocionais de responder às perguntas. Durante vários questionamentos feitos ao réu, ele reiterou que é inocente e que antes do caso envolvendo Eliza Samudio sequer respondia a outros processos.

5º dia:  Júri do Bola entra no quinto dia sem previsão para término
4º dia: Advogado de Bola desvia o foco e adia fim do julgamento
3º dia: Nova versão sobre esquartejamento de Eliza Samudio dá fôlego à defesa de Bola
2º dia: Presidiário confirma que Bola admitiu que matou e queimou o corpo de Eliza
1º dia: Defesa de Bola tenta apontar falhas em investigações da morte de Eliza Samudio

Às 11h30, a defesa começou a interrogar o réu. Em uma das perguntas, Marcos Aparecido se emocionou ao ver as fotos de seus cães rotweiller, apresentadas pelo advogado Ércio Quaresma Durante o interrogatório da defesa, o advogado citou os outros processos a que o réu responde e citou uma prisão anterior de Marcos Aparecido, durante 60 dias, por posse ilegal de arma.

Depois das perguntas da defesa, Marcos Aparecido disse que está sendo acusado injustamente, porque está sendo perseguido pelo ex-delegado e atual vereador, Edson Moreira.

Às 13h25, o interrogatório foi encerrado e a juíza deu um intervalo de uma hora para o almoço. Em seguida, começarão os debates.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.