Nesta sexta-feira, foram ligos depoimentos por carta precatória e peças do processo. Advogados do réu disseram que pediram a leitura de 3 mil páginas

Agência Estado

O quinto dia do julgamento do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, começou nesta sexta-feira (26) com a leitura de depoimentos por carta precatória de testemunhas consideradas importantes para o Ministério Público. Depois passaram a ser lidas as peças de defesa.

4º dia: Advogado de Bola desvia o foco e adia fim do julgamento
3º dia: Nova versão sobre esquartejamento de Eliza Samudio dá fôlego à defesa de Bola
2º dia: Presidiário confirma que Bola admitiu que matou e queimou o corpo de Eliza
1º dia: Defesa de Bola tenta apontar falhas em investigações da morte de Eliza Samudio

Os advogados do réu disseram que pediram a leitura de 3 mil páginas. Somente depois Bola deve ser ouvido, o que pode não acontecer nesta sexta-feira. Com isso, o júri do Fórum de Contagem, Minas Gerais, permanece sem previsão de término.

O destaque até esta manhã ficou por conta da leitura da carta da dentista Ingrid Calheiros, atual mulher do goleiro Bruno e namorada dele na época do desaparecimento de Eliza Samudio.

A dentista diz que Bruno afirmava não saber do paradeiro de Eliza e que esperava que ela fosse encontrada. Ela também afirmou ter ouvido do namorado que "Bola seria um matador".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.