Terceiro dia de júri do Bola tem depoimentos de jornalista e ex-delegado

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

José Clèves foi convocado pela defesa para descredibilizar as investigações policiais. Jornalista foi acusado de matar sua mulher, mas foi inocentado

Agência Estado

O julgamento do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, entra no terceiro dia nesta quarta-feira, 24. A primeira testemunha a depor no Fórum de Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, é o jornalista José Clèves. Os advogados de Bola pretendem mostrar, com o depoimento, que o jornalista também teria sido vítima de erros de investigação por parte da polícia, conforme a tese da defesa para o indiciamento de Bola. Clèves foi acusado de matar sua mulher, mas foi inocentado.

2º dia: Presidiário confirma que Bola admitiu que matou e queimou o corpo de Eliza
1° dia: Defesa de Bola tenta apontar falhas em investigações da morte de Eliza Samudio
Júri do Bola é formado por quatro homens e três mulheres em Contagem

Bola, se negou a responder as perguntas do promotor Henry Wagner Vasconcelos. Foto: Renata Caldeira / TJMGRéu Bola é visto escrevendo bilhete a advogados durante depoimentos, neste quarta (24). Foto: Renata Caldeira/TJMGEx-delegado Edson Moreira, que hoje atua como vereador, durante depoimento no salão do júri (24/04). Foto: Renata Caldeira/TJMGMarcos Aparecido dos Santos, o Bola, durante terceiro dia do julgamento. Foto: Alex de Jesus/O Tempo/Futura PressJornalista José Cleves foi ouvido pela juíza no 3º dia de júri (24/04); Bola acompanhou a oitiva. Foto: Renata Caldeira/TJMGRéu conversa com um de seus advogados nesta terça durante depoimento do presidiário Jaílson de Oliveira (23/04). Foto: Renata Caldeira/TJMGPromotor Henry Vasconcelos pergunta ao presidiário Jaílson sobre relação com Bola nesta terça (23/04). Foto: Renata Caldeira/TJMGPrimeira testemunha a ser ouvida é a delega Ana Maria dos Santos, arrolada pelo Ministério Público. Foto: Renata Caldeira/TJMGMarcos Aparecido dos Santos, o Bola, é visto no plenário neste primeiro dia de júri. Foto: Renata Caldeira/TJMGMarcos Aparecido dos Santos, o Bola, é visto no plenário neste primeiro dia de júri. Foto: Renata Caldeira/TJMGAdvogado Ércio Quaresma, um dos defensores de Bola. Foto: Renata Caldeira/TJMGJuíza Marixa Fabiane (esq.) e o defensor Ércio Quaresma (dir.) em plenário no primeiro dia do júri. Foto: Renata Caldeira/TJMGBancada de defensores já estão em plenário para o júri do Bola, nesta segunda (22). Foto: Renata Caldeira/TJMGPromotor Henry Vasconcelos, responsável pela acusação do Caso Bruno, no 1º dia do júri. Foto: Renata Caldeira/TJMGFamiliares do ex-policial Bola chegam ao fórum de Contagem para acompanhar o julgamento. Foto: Cristiane Mattos/Futura PressFamiliares do ex-policial Bola chegam ao fórum de Contagem para acompanhar o julgamento. Foto: Cristiane Mattos/Futura PressJosé Arteiro, advogado da mãe de Eliza Samudio, chega ao fórum para acompanhar o júri de Bola. Foto: Cristiane Mattos/Futura Press

As investigações sobre o jornalista foram conduzidas pelo então delegado Edson Moreira, que também comandou o inquérito do caso Bruno. Para os defensores do ex-policial, Moreira é desafeto do réu e por isso o incriminou. O delegado que hoje é vereador deve depor em seguida. A expectativa é de que o depoimento de Bola ocorra na quinta-feira (25).

1º júri: Macarrão pega 15 anos de prisão por morte de Eliza. Fernanda responde livre
2º júri: Bruno é condenado a 22 anos e 3 meses de prisão. Dayanne é absolvida

Clèves contou que o delegado, na época, afirmou que havia pólvora no braço dele e que o exame de balística mostrou o uso de arma. Mas, segundo o jornalista, os laudos negaram isso. Ele também falou do impacto do seu indiciamento em sua vida, dizendo que sofre até hoje. O jornalista respondeu que sim à pergunta de Quaresma sobre se há descaso com os inquéritos. Segundo ele, esse descaso dificulta a justiça.

Leia tudo sobre: goleiro brunocaso brunojulgamentotjmg

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas