Defesa de Bola tenta apontar falhas em investigações da morte de Eliza Samudio

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Acusado de assassinar e desaparecer com o corpo da ex-amente do goleiro Bruno Fernandes, Marcos Aparecido dos Santos enfrenta seu primeiro dia de julgamento

Agência Estado

Nesta segunda-feira (22), primeiro dia do julgamento do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, acusado de assassinar e desaparecer com o corpo de Eliza Samudio, ficou clara a estratégia da defesa de apontar falhas nas investigações para tentar livrar seu cliente da condenação. A situação do réu se complicou depois que o ex-goleiro Bruno Fernandes de Souza admitiu ao júri que o condenou, em março passado, que Luiz Henrique Romão, o Macarrão, levou a amante de Bruno para ser morta por Bola. O ex-jogador foi condenado a 22,3 anos de prisão por ter encomendado o crime. Macarrão pegou 15 anos por ter confessado parcialmente seu envolvimento na trama.

Entenda:
Acusado pela morte de Eliza Samudio, Bola enfrenta júri popular em Minas
Júri do Bola é formado por quatro homens e três mulheres em Contagem

Bola, se negou a responder as perguntas do promotor Henry Wagner Vasconcelos. Foto: Renata Caldeira / TJMGRéu Bola é visto escrevendo bilhete a advogados durante depoimentos, neste quarta (24). Foto: Renata Caldeira/TJMGEx-delegado Edson Moreira, que hoje atua como vereador, durante depoimento no salão do júri (24/04). Foto: Renata Caldeira/TJMGMarcos Aparecido dos Santos, o Bola, durante terceiro dia do julgamento. Foto: Alex de Jesus/O Tempo/Futura PressJornalista José Cleves foi ouvido pela juíza no 3º dia de júri (24/04); Bola acompanhou a oitiva. Foto: Renata Caldeira/TJMGRéu conversa com um de seus advogados nesta terça durante depoimento do presidiário Jaílson de Oliveira (23/04). Foto: Renata Caldeira/TJMGPromotor Henry Vasconcelos pergunta ao presidiário Jaílson sobre relação com Bola nesta terça (23/04). Foto: Renata Caldeira/TJMGPrimeira testemunha a ser ouvida é a delega Ana Maria dos Santos, arrolada pelo Ministério Público. Foto: Renata Caldeira/TJMGMarcos Aparecido dos Santos, o Bola, é visto no plenário neste primeiro dia de júri. Foto: Renata Caldeira/TJMGMarcos Aparecido dos Santos, o Bola, é visto no plenário neste primeiro dia de júri. Foto: Renata Caldeira/TJMGAdvogado Ércio Quaresma, um dos defensores de Bola. Foto: Renata Caldeira/TJMGJuíza Marixa Fabiane (esq.) e o defensor Ércio Quaresma (dir.) em plenário no primeiro dia do júri. Foto: Renata Caldeira/TJMGBancada de defensores já estão em plenário para o júri do Bola, nesta segunda (22). Foto: Renata Caldeira/TJMGPromotor Henry Vasconcelos, responsável pela acusação do Caso Bruno, no 1º dia do júri. Foto: Renata Caldeira/TJMGFamiliares do ex-policial Bola chegam ao fórum de Contagem para acompanhar o julgamento. Foto: Cristiane Mattos/Futura PressFamiliares do ex-policial Bola chegam ao fórum de Contagem para acompanhar o julgamento. Foto: Cristiane Mattos/Futura PressJosé Arteiro, advogado da mãe de Eliza Samudio, chega ao fórum para acompanhar o júri de Bola. Foto: Cristiane Mattos/Futura Press

Bola está sendo julgado no Fórum de Contagem (MG) desde a manhã. Logo no início dos trabalhos, o advogado dele, Ércio Quaresma, pediu o adiamento do júri, alegando cerceamento de defesa pela ausência de testemunhas e que seu cliente deveria ser julgado na comarca de Vespasiano, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde Eliza teria sido morta. A juíza Marixa Rodrigues indeferiu o pedido.

1º júri: Macarrão pega 15 anos de prisão por morte de Eliza. Fernanda responde livre
2º júri: Bruno é condenado a 22 anos e 3 meses de prisão. Dayanne é absolvida

Posteriormente, no único interrogatório do dia, Quaresma questionou a delegada Ana Maria Santos, que conduziu o caso na fase policial, por não indiciar outros nomes mostrados pela quebra do sigilo telefônico dos envolvidos. Ele se referia especialmente ao policial José Lauriano, o Zezé, cujo número teria aparecido diversas vezes nas 50 ligações recebidas por Macarrão nos dias que antecederam o crime, assim como o de Bola. Ana Maria respondeu que ele não foi indiciado porque, na época, não havia elementos suficientes, embora ele tenha sido interrogado.

"O senhor José Lauriano foi ouvido mais de uma vez, e é preciso esclarecer aos jurados que não é simplesmente por um fato que o sujeito resta indiciado. Se não houve indiciamento, é porque não havia elementos suficientes", respondeu a delegada. Diante da insistência do advogado, Ana Maria disse que o inquérito já estava na fase final quando o nome de Zezé apareceu. Ela também afirmou que não leu o relatório com os dados da quebra de sigilo telefônico dos envolvidos.

Para Quaresma, as autoridades policiais elegeram apenas seu cliente para indiciar, ignorando indícios referentes a outros possíveis envolvidos na trama, como os policiais Zezé e Gilson Costa. Ele também questionou a legitimidade do julgamento enquanto há outras investigações sobre o crime em andamento, como o inquérito aberto pelo Ministério Público para apurar a participação dos dois policiais no caso. O promotor Henry Vasconcellos rebate a tese de Quaresma ao afirmar que "investigações suplementares visam a mais ampla reunião de provas de coautoria de outros dois parceiros do réu". Para a promotoria, Zezé é o homem que apresentou Bola a Bruno.

O promotor Henry Vasconcellos focou seu interrogatório à delegada em detalhes do depoimento de Jorge Luiz, o primo de Bruno que revelou como Eliza teria sido sequestrada e morta, no início de junho de 2010. Durante os questionamentos, Ércio Quaresma pediu para deixar o Fórum. Segundo ele, sua mulher havia sido assaltada. O promotor ironizou o fato, dizendo que a esposa de Quaresma também havia sido assaltada no julgamento ocorrido em novembro, no qual Macarrão foi condenado. Nas preliminares, o promotor afirmou que "o que a defesa quer é nutrir-se com escândalo frívolo e irresponsável'. Henry Vasconcellos pediu que os defensores agissem com "plenitude". Durante a maior parte do tempo, Bola permaneceu de cabeça erguida. Chegou a atrair as atenções ao tomar um iogurte na sala do júri. Também mandou mensagens escritas em um papel branco para seus advogados.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas