Defesa do goleiro Bruno admite não ter estratégia pronta a seis dias do júri

Por Carolina Garcia - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Advogado Franciso Simim disse que trio de defensores caminha para um pedido de absolvição e a ausência de advogados polêmicos garante um julgamento 'muito bonito'

O ex-goleiro Bruno Fernandes, acusado de ser o mandante do assassinato de Eliza Samudio, volta ao banco dos réus na próxima segunda-feira (4), em Contagem, Minas Gerais. O réu, que teve o processo desmembrado em novembro após destituir o principal advogado, vê seus três defensores sem uma "estratégia definida" para sua absolvição. "Não estamos alinhados ainda, mas vamos nos reunir ainda nessa semana", explicou Francisco Simim nesta terça-feira ao iG.

Eugenio Moraes/Hoje em Dia/Futura Press
Lúcio Adolfo e Tiago Lenoir durante o júri de Macarrão e Fernanda em novembro de 2012

Além de Simim, os advogados Lúcio Adolfo da Silva e Tiago Lenoir formam a equipe de defesa de Bruno. Para Simim, a única expectativa sobre o novo ciclo de audiências é de que será um "júri muito bonito" e que o trio "caminha para um pedido de absolvição" do réu.

Mais: Principal testemunha diz que Macarrão planejou morte de Eliza e Bruninho

Veja a cobertura do iG sobre a 1ª fase do julgamento do Caso Bruno

"Agora será diferente [após a saída do advogado Rui Pimenta e a ausência de Ércio Quaresma], não teremos baixarias. [Em novembro], houve falta de sintonia na defesa e isso acaba prejudicando o cliente. Hoje nossa defesa é um tripé". Quaresma foi criticado pela postura dentro do salão do júri, pois "tumultuava" o processo. Ele representa Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, acusado de ser o executor de Eliza.

Na segunda-feira (25), o Tribunal de Justiça de Minas Gerais divulgou que o primo do ex-goleiro será ouvido durante o júri. O Ministério Público (MP) e a defesa do jogador arrolaram Jorge Luis Rosa após sua entrevista ao 'Fantástico'. A Justiça então informou que ele será ouvido em juízo, após pedido da magistrada Marixa Fabiane Lopes.

Acusação: Filho de Eliza Samudio teria presenciado o crime

Simim esclareceu ainda que a contraditória entrevista de Rosa ao programa não foi iniciativa da defesa. "Não procuramos aquilo,  mas em alguns pontos favoreceu. Com a fala dele, ficou claro que o 'bandidasso' da situação era Macarrão. Se Bruno tem alguma culpa, ela é mínima", disse.

Sobre as contradições da versão do jovem, o advogado preferiu não comentar. Rosa chegou a mudar sua resposta para a pergunta se Bruno sabia da intenção de Macarrão matar Eliza.  Ao lado de Bruno, sua ex-mulher Dayanne Rodrigues será julgada a partir de segunda-feria pelo sequestro e cárcere de Bruninho, filho do jogador com Eliza. 

Futuros julgamentos

O julgamento de Elenílson Vitor da Silva e Wemerson Marques de Souza, que respondem por sequestro e cárcere privado de Bruninho, será realizado no dia 15 de maio, segundo o TJ de Minas. A decisão foi assinada pela juíza Marixa. No último dia 8, a magistrada decidiu desmembrar o julgamento de Bola. O ex-policial vai a júri popular no dia 22 de abril.



Leia tudo sobre: goleiro brunojúri populareliza samudio

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas