Escala mínima reduz caos durante greve do metrô de Belo Horizonte

O regime de trabalho foi determinado pela Justiça do Trabalho, que estipulou multa de R$ 30 mil em casao de descumprimento

AE |

selo

Apesar de os metroviários de Belo Horizonte ainda estarem de greve, a realização de escala mínima determinada pela Justiça e a opção de parte dos passageiros por outros meios de transporte ajudou a reduzir drasticamente nesta quarta-feira o caos registrado na segunda-feira (14), quando foi iniciado o movimento. Os trens na capital mineira estão funcionando de 5h20 às 8h30 e das 17 horas às 19h30.

Greve dos metroviários gera prejuízo de R$ 4 milhões a lojistas de Belo Horizonte

O metrô de Belo Horizonte transporta uma média de cerca de 215 mil pessoas em dias normais. Na manhã desta quarta-feira, porém, segundo a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), aproximadamente 57 mil pessoas passaram pelas 19 estações do metrô em Belo Horizonte e Contagem, na região metropolitana da capital, o que equivale a 88% da demanda normal.

No 2º dia de greve dos metroviários, trânsito piora em Belo Horizonte

A escala mínima foi determinada ainda na segunda-feira pela Justiça do Trabalho, que estipulou multa de R$ 30 mil em caso de descumprimento.

Os trabalhadores do metrô de Belo Horizonte reivindicam reajuste de 5,74%, plano de saúde integral, participação nos lucros e resultados (PLR) e adicional noturno de 50%. A CBTU não fez contraproposta e, por meio de nota, informou que está em negociação para um acordo coletivo para todas as operadoras do sistema.

    Leia tudo sobre: greve metroviáriosbelo horizonteescala

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG