Ex-juiz é preso em flagrante por abusar de criança de 11 anos

Ex-magistrado nega acusações; horas depois, a capital mineira registrou mais um caso, em uma escola de futebol

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Um ex-juiz foi preso em flagrante na noite de domingo (07), Em Belo Horizonte, por supostamente abusar de uma criança de 11 anos. Por meio de uma denúncia, a polícia chegou ao local e encontrou o garoto embaixo da cama do ex-magistrado Maria José Pinto da Rocha, 65 anos. 

Segundo a Polícia Civil de Minas Gerais, ao ser abordada, a criança afirmou que havia ocorrido relação sexual entre ela e o ex-juiz. Ela disse também que ele pagava R$ 10 por cada relação sexual.

Uma equipe da polícia foi à casa do ex-juiz Rocha, no bairro Santa Amélia, região da Pampulha, em Belo Horizonte, e encaminhou o magistrado aposentado à Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) para que ele fosse autuado em flagrante pela delegada Andrea Aparecida Alves Cunha. O ex-juiz nega as acusações da criança.

Conforme a polícia, o acusado já foi detido por acusação de pedofilia e era investigado há alguns meses.

Também em Minas: Diretores de prisão são investigados por abuso de presas

Escondendo o rosto, ele foi indiciado por estupro de menor e incapaz e encaminhado para o Centro de Remanejamento de Presos (Ceresp) São Cristóvão, região noroeste da capital mineira.

Também em Belo Horizonte, nesta segunda-feira (07), um outro homem foi acusado de molestar sexualmente outra criança de 11 anos. O caso ocorreu na região de Venda Nova, no bairro Jaqueline. Alessandro da Mota, 55 anos, é funcionário de uma escolinha de futebol e teria tentado beijar à força um menino, que contou o caso para a mãe. A mãe, por sua vez, denunciou à polícia.

Homem que sequestrou prima se entrega à polícia em Minas Gerais

Por não se tratar de flagrante, o homem deve ser ouvido e ser liberado. O caso será investigado. Assim como o ex-juiz, ele tentou esconder o rosto ao ser encaminhado para a delegacia e negou as acusações de abuso sexual contra uma criança.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG