Em Minas, vai a 103 o número de cidades em situação de emergência

A situação é mais grave a cada dia, e o tempo continua instável, com muita nebulosidade na Região Sudeste

Agência Brasil |

A Defesa Civil de Minas Gerais informou hoje (7) que subiu para 103 o número de municípios em situação de emergência, por causa das chuvas, enchentes e deslizamentos que castigam o Estado. As cidades são Jequeri, Baldim, Canaã e Itaguara. Outros 54 municípios também registraram prejuízos, mas não decretaram situação de emergência.

Previsão do tempo: Chuva deve continuar em Minas nos próximos dias

Calamidade pública: Governador Valadares decreta estado de calamidade pública

Museu fechado: Com acessos alagados, museu a céu aberto de Inhotim é fechado

Ouro Preto: "É um desastre de proporção bíblica", diz prefeito

Problema com data marcada: "Eles serão menores, mas nós teremos prejuízo"

No Rio, de novo:  Chega a 7 o números de cidades do Rio em situação de emergência

O balanço da Defesa Civil mineira relaciona 12 pessoas mortas e duas desaparecidas, além de 906 desabrigados e 11.939 desalojados. Ao todo, 2,174 milhões de pessoas foram afetadas de alguma forma pela situação emergencial no estado, que computa também 101 pontes destruídas e 143 danificadas.

A situação é mais grave a cada dia, e o tempo continua instável, com muita nebulosidade na Região Sudeste e em parte do Centro-Oeste, de acordo com o meteorologista Ruibran dos Reis. Estão mantidas, portanto, as condições climáticas para mais chuvas na Zona da Mata (leste de Minas Gerais), no centro-sul do Espírito Santo e norte do estado do Rio de Janeiro – regiões mais afetadas pelas chuvas.

O boletim da Defesa Civil alerta, inclusive, para a possibilidade de eventos adversos, em razão da Zona de Convergência do Atlântico Sul, que ficará estacionada sobre o estado até a próxima terça-feira (10), provocando mais chuva. Como o solo está saturado, aumenta o risco de deslizamento de encostas, independentemente do volume de chuva.

A Defesa Civil também alerta para riscos de alagamentos e quedas de árvores. Reforça ainda as orientações para que as pessoas adotem comportamentos seguros, entre eles não transitar em áreas alagadas (a pé ou de carro), observar sinais de encharcamento e movimentação do solo das encostas, abandonar suas residências preventivamente, não colocar em vias públicas qualquer lixo ou materiais que possam comprometer o escoamento de águas pluviais.

    Leia tudo sobre: enchentesminas geraischuvas 2012chuvas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG