México reabre zonas arqueológicas fechadas por gripe suína

CIDADE DO MÉXICO ¿ O México reabrirá, a partir de hoje, sob extremas medidas de higiene, as 175 zonas arqueológicas que tinham sido fechadas na semana passada pela epidemia da gripe suína e a partir de quinta-feira também serão abertos os museus, informou hoje o Instituto Nacional de Antropologia e História (Inah).

EFE |

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados.

Em comunicado, o organismo explicou que, em cada uma das zonas arqueológicas e museus, as autoridades buscarão oferecer ao turista "uma visita segura" adotando as medidas preventivas para evitar a propagação de um vírus que já causou a morte de 42 pessoas no país e um total de 1.070 infectados.

A decisão de reabrir os locais foi tomada hoje pelo Inah, pela Secretaria de Educação Pública (SET) e pelo Conselho Nacional para a Cultura e as Artes (Conaculta), após uma semana na qual as zonas estiveram fechadas e foram submetidas a "um trabalho de limpeza exaustiva".

Por este motivo, os funcionários que trabalharem nesses locais e tiverem contato com o público deverão usar máscaras e luvas de látex; além disso, serão impedidas aglomerações e intensificadas as medidas de limpeza em banheiros e áreas de serviço.

O Inah explicou que, a partir desta sexta-feira, todos os museus e sítios arqueológicos do México reabrirão as portas nos horários normais, e funcionarão a quase toda a capacidade.

    Leia tudo sobre: arqueologiagripe suína

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG