Meteorologia: verão deve ser marcado por temporais

O verão do hemisfério sul, que tem início na próxima segunda-feira, às 15 horas e 47 minutos, no horário de Brasília, deve ser marcado por muita chuva, segundo previsão da Climatempo, devido à influência do El Niño. A estação, segundo a Climatempo, começa com o domínio de uma grande massa de ar quente sobre a maior parte do Brasil.

Agência Estado |

As áreas de instabilidade se formam sobre grande parte do Sul e do Sudeste, e no dia da entrada do verão, o risco de chuva forte é grande no sul e no leste do Rio Grande do Sul e no leste de Santa Catarina.

O tempo abafado formará nuvens carregadas e ocorrerão temporais no Sudeste, no Centro-Oeste e no Norte, preveem os meteorologistas. No Nordeste o ar ficará seco e por isso não choverá na maior parte das áreas. Só o oeste do Maranhão pode ter pancadas passageiras.

O quadro de estiagem do Nordeste deve se reverter até o fim do mês. O avanço de uma frente fria leva muita chuva para a Bahia, para o Maranhão e para o Piauí, e as deficiências hídricas devem ser revertidas. Esta frente fria aumentará a chuva também no Sudeste, com grandes volumes acumulados especialmente no centro-norte de Minas Gerais e no Espírito Santo.

El Niño

Segundo a Climatempo, o fenômeno El Niño, o aquecimento anormal das águas do Pacífico, será fator facilitador da chuva no centro-sul do Brasil durante o verão, que será de forma concentrada e contínua, como há previsão neste mês de janeiro, com potencial para enchentes e deslizamentos. As áreas de risco do Sul, do Sudeste e do Centro-Oeste devem sempre estar atentas aos alertas da Defesa Civil.

A chuva mais forte acontecerá no norte do Paraná e nos Estados do Sudeste e do Centro-Oeste, com a formação de três episódios de ZCAS, Zona de Convergência do Atlântico Sul. Nestas áreas, ao longo do mês, espera-se por mais dias chuvosos do que ensolarados.

A maior parte das outras regiões do País não ficará livre das pancadas de chuva intensa, que podem vir acompanhadas de raios e granizo, que são comuns no verão por conta do forte calor e da alta umidade do ar. No Nordeste, só na Bahia, no Maranhão e no Piauí chove de forma regular em janeiro. Os outros Estados ainda ficam sob o domínio do ar seco, que impede a instabilidade. Nesta época do ano faz muito calor e não chove.

Em fevereiro a chuva volta a cair com maior frequência no Ceará e no sertão da Paraíba e de Pernambuco, mas na faixa entre Sergipe e Rio Grande do Norte o tempo permanece seco e muito quente. No Sudeste e no Centro-Oeste do Brasil a previsão é de um mês muito diferente do anterior: se em janeiro deve chover muito, em fevereiro quase não choverá. As pancadas serão irregulares e o calor será intenso. Os termômetros passam facilmente dos 35 graus durante as tardes. No Sul, no entanto, o quadro é inverso, com muita chuva e temperatura abaixo da média.

Em março, uma grande massa de ar quente tomará conta da maior parte do Brasil, mas não impedirá a formação de áreas de instabilidade. O calor e a alta umidade do ar favorecerão várias pancadas de chuva, que nesta época ainda são bem fortes. Os grandes centros urbanos ainda devem sofrer com os temporais de fim de tarde.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG