Mendes quer que CNJ monitore grampos e juízes

BRASÍLIA - O presidente do Supremo, ministro Gilmar Mendes, disse nesta quinta-feira (14), que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) deve monitorar todas as autorizações judiciais de grampos telefônicos. Para ele, a ação não visa restringir a liberdade dos juízes, mas coibir eventuais abusos.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

"Tem um projeto, a idéia não é afetar a liberdade do juiz nem interferir em sua independência, mas criar regras que permitiam ao CNJ e às corregedorias dos tribunais acompanhar essa prática e eventualmente detectar os abusos", disse.

Mendes destacou que uma comissão deve ser criada no CNJ somente para tratar do assunto e analisar cada caso de grampo telefônico no País. Segundo dados da CPI dos Grampos, em 2007 existiram 409 mil telefones interceptados.

"É um tema que me sensibiliza sobre eventuais abusos", disse. "Temos que fazer o que está ao nosso alcance. Até porque não há grampo sem autorização judicial. Se há abuso ele começa na autorização", pontuou.

Leia também:

Leia mais sobre:  Grampos telefônicos

    Leia tudo sobre: escutasgrampo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG