Membro da Abin culpa PF por ¿confusão¿ da Satiagraha

BRASÍLIA - O diretor do Departamento de Contrainteligência da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Paulo Maurício Fortunato Pinto, afirmou nesta quarta-feira em depoimentos à CPI dos Grampos, que cabe à Polícia Federal esclarecer questões relativas a suposta participação do ex-agente do extinto SNI (Serviço Nacional de Informação), Francisco Ambrósio, nas investigações da Operação Satiagraha, da Polícia Federal.

Carol Pires, Último Segundo/Santafé Idéias |

A Abin não tem nenhuma responsabilidade sobre a participação de Ambrósio neste caso. Não quero jogar a responsabilidade em ninguém, mas a Abin não pode ser responsabilizada pelas atitudes do delegado que presidia esse inquérito".

"A Abin entrou em situação muito constrangedora com tudo isso. Esse problema é da Polícia Federal, pois tudo foi feito dentro da própria Polícia Federal. O delegado não montou sua base no prédio da Abin. É uma confusão que não é nossa, ressaltou Fortunato. Estamos pagando um pato que não é nosso.

Foi o delegado Protógenes Queiroz, responsável pela Operação Satiagraha, que revelou à CPI dos Grampos da participação da Abin nos trabalhos da PF.

Leia mais sobre: CPI dos Grampos

    Leia tudo sobre: cpi dos grampos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG