O Fim da Escuridão - Brasil - iG" /

Mel Gibson repete outros personagens em O Fim da Escuridão

LOS ANGELES ¿ Com O Fim da Escuridão, Mel Gibson retorna aos papéis violentos e justiceiros que tanto sucesso lhe deram no passado, mas desta vez o faz com uma atuação medíocre no qual nem os atores coadjuvantes conseguem se encontrar nos papeis que interpretam.

EFE |

"O fim da escuridão", dirigido por Martin Campbell, é a adaptação para o cinema da uma minissérie britânica de grande êxito nos anos 80 que conta a investigação iniciada por um veterano Polícia de Boston, Thomas Craven (Gibson), para esclarecer quem e por que matou sua filha Emma (Bojana Novakovic).

Um encapuzado dispara aparentemente contra Gibson, mas quem recebe o disparo é sua filha, que morre nos braços do pai sem ter tempo de contar a ele um segredo.

A partir daí, Gibson desenvolve um personagem que às vezes parece o detetive Martin Riggs de "Máquina Mortífera", em outros momentos o louco Jerry Fletcher de "Teoria da Conspiração" (1997) e, ainda, o pai desesperado de "O Preço de um Resgate" (1996), mas com menos força e agilidade.

Os poucos registros do ator australiano ficam ainda mais evidentes nas cenas que divide com Ray Winston. Nem Winston, nem Danny Huston, tampouco Denis Ou'Hare conseguiram imprimir uma mínima credibilidade à história.

Provavelmente, comprimir seis capítulos de televisão em menos de duas horas é um problema difícil de resolver, mas levando em consideração que "O fim da escuridão" se reduz a uma única história principal e linear, sem ramificações, não é compreensível que o diretor se perca em detalhes que não contribuem em nada para a narração.

O diretor não é um iniciante. São de Campbell filmes como "A máscara do Zorro" (1998), "Limite Vertical" (2000) e "Cassino Royale" (2006). É na parte principal do filme, na investigação, que Campbell naufraga. Coincidências inverossímeis permitem a Gibson entender um complexo político e empresarial que se transforma em uma nova teoria da conspiração dessas que os americanos tanto gostam.

Um filme que não será o retorno de Gibson a uma carreira um pouco abandonada nos últimos anos e cujo último êxito remonta a 2002, com "Sinais". O filme está em cartaz hoje na Espanha, estreia em 4 de março na Argentina e a partir de abril no restante da América Latina.

(Reportagem de Alicia García de Francisco)

    Leia tudo sobre: mel gibson

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG