Meirelles reassume direção da Associação Viva o Centro

Depois de oito anos, ex-presidente do BC volta a atuar em entidade que ajudou a fundar e diz que APO não acomodará aliados

AE |

selo

O ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles foi empossado hoje como presidente da Associação Viva o Centro, entidade da qual é fundador e ficou por oito anos afastado para presidir a autoridade monetária. No evento, disse que sua volta tem o objetivo de ajudar a repensar o centro da capital paulista do ponto de vista cultural, familiar e econômico.

Divulgação/Prefeitura de São Paulo
O ex-presidente do BC, Henrique Meirelles, durante cerimônia em que foi empossado na Associação Viva o Centro
Meirelles afirmou que nos últimos 20 anos a instituição teve como papel conscientizar as pessoas sobre a importância de cuidar do centro de São Paulo, preservando suas características familiares. E ressaltou que nos próximos 20 anos a proposta será de repensar a cidade e encontrar espaços para empresas interessadas em se instalar em São Paulo. Ele também elogiou a iniciativa do governo de São Paulo de levar as secretarias estaduais para a região central.

O ex-presidente do BC - escolhido esta semana pela presidente Dilma Rousseff para comandar a Autoridade Pública Olímpica (APO) - estava acompanhado da esposa, Eva de Campos Meirelles. A cerimônia foi acompanhada pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e pelo presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto.

Na cerimônia, Meirelles afirmou que vai levar à Autoridade Pública Olímpica o estilo com que comandou o Banco Central  durante oito anos. De acordo com ele, a escolha dos nomes para compor o órgão será feita levando-se em consideração critérios técnicos, e não políticos ou pessoais.

"Acredito que qualquer escolha profissional deve levar em conta a forma como a pessoa trabalha", disse Meirelles.

Ele explicou que ainda está em fase de discussão e avaliação o que fará à frente do órgão. Ele informou que recebeu ontem o trabalho completo da arquiteta responsável pelas Olimpíadas de Londres, em 2012, e ressaltou que atualmente estuda o projeto. Perguntado, Meirelles disse acreditar que as obras para o evento no Brasil serão entregues no prazo.

O ex-presidente do BC ressaltou ainda que está apenas 48 horas à frente do cargo e disse não crer que sofrerá pressões de partidos políticos para indicação de cargos da Autoridade Olímpica, assim como, segundo ele, não sofreu durante sua gestão na autoridade monetária.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG