Meirelles diz que ainda não decidiu sobre candidatura

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou nesta quarta-feira que ainda não decidiu se vai se candidatar a algum cargo nas eleições de 2010. Ele sinalizou ainda que, se aderir a algum partido, deverá ficar no cargo até março, prazo legal para a descompatibilização de ministros que concorrerão a algum cargo eletivo. Ele tem até fim de setembro para decidir.

Reuters |

"Não tem nenhuma decisão ainda se serei ou não filiado a algum partido e, caso filie-me a algum partido, se serei ou não candidato a algum cargo eletivo", disse a jornalistas após audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) em que ouviu vários pedidos de senadores para que dispute algum cargo político.

Meirelles é cotado para disputar o governo de Goiás ou uma cadeira no Senado por aquele Estado.

Questionado se a indefinição sobre seu futuro não gera instabilidade nos mercados, Meirelles respondeu que uma das características da atual gestão no BC é que qualquer decisão é tomada "na hora certa, sem precipitação".

"Isso, sim, transmite segurança, transmite previsibilidade. Atitudes impensadas não são boas para ninguém."

Perguntado se considera natural um presidente de Banco Central ser filiado a algum partido político, Meirelles respondeu de forma positiva, mas fez algumas ponderações.

"Existem diversos presidentes de Banco Central no mundo inteiro que são filiados a partidos políticos", argumentou.

Segundo Meirelles, há exemplos também de presidentes de bancos centrais que seguiram carreira política. Ele alegou que essa opção, se tomada depois de deixar o cargo, não prejudica a gestão da instituição.

"Enquanto presidente do Banco Central, independentemente de qualquer decisão de carreira futura, seja na vida política, seja no setor privado ou no setor público por via não eleitoral e seja até que data for, eu estarei certamente e completamente dedicado e focado no Banco Central do Brasil, levando em conta apenas os interesses da boa condução da política monetária e cambial do país", concluiu.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG