Meirelles confirma filiação ao PMDB após falar com Lula

BRASÍLIA (Reuters) - Após dias de crescente expectativa sobre o anúncio, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles confirmou nesta terça-feira sua decisão de se filiar ao PMDB. O presidente Henrique Meirelles decidiu hoje, após reunião com o presidente Lula, filiar-se ao PMDB, disse a assessoria do BC.

Reuters |

Ainda segundo o BC, Meirelles assina sua ficha de filiação em Goiânia, na manhã de quarta-feira. A informação foi antecipada pela Reuters na semana passada.

Presidente em exercício do PMDB, a deputada Íris de Araújo (GO) comemorou o desfecho da reunião de Meirelles com o presidente Lula. Ela ponderou, entretanto, que a decisão sobre uma eventual candidatura do presidente do BC só deverá ocorrer no ano que vem.

"Essa deve ser uma conversa para depois", destacou ela à Reuters.

Apesar da declaração da assessoria do BC, o encontro entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Meirelles foi muito mais um ritual no qual o tema central da conversa, a filiação ao PMDB, já estava combinado anteriormente, em encontros prévios entre os dois.

"Estava tudo acertado, foi um rito o encontro (com Lula)", disse à Reuters uma fonte do governo.

O raciocínio é que uma decisão deste porte precisa ser gestada aos poucos. Mesmo a escolha do partido foi objeto de debate. A escolha recaiu sobre o PMDB por ser o partido mais forte da coalizão de governo e que pode oferecer mais chances de sucesso de uma candidatura a Meirelles no futuro.

O presidente do BC havia sido procurado por outros partidos, principalmente o PP, que queria lançá-lo na disputa pelo governo de Goiás.

Para seguir esse caminho no PMDB, Meirelles terá de demonstrar maiores chances de vencer do que o prefeito de Goiânia, Iris Rezende. Por isso, líderes do PMDB goiano consideram mais provável a possibilidade dele concorrer a uma vaga no Senado.

Outro cenários seria se candidatar à Vice-Presidência na chapa liderada pela ministra da Casa Civil, a petista Dilma Rousseff, mas isso esbarraria nas pretensões do presidente licenciado do partido e presidente da Câmara, deputado Michel Temer (SP).

No entanto, fonte graduada do Palácio do Planalto disse recentemente à Reuters que Meirelles pode permanecer à frente do BC até o fim de 2010 e deixar para depois seu projeto político.

Na quinta-feira, Meirelles se junta à comitiva governamental que estará em Copenhague para acompanhar o anúncio da cidade-sede das Olimpíadas no dia seguinte.

(Reportagem de Isabel Versiani e Fernando Exman em Brasília e Carmen Munari em São Paulo)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG