Médicos retiram tumores de Alencar em nova cirurgia

SÃO PAULO (Reuters) - O vice-presidente da República, José Alencar, foi submetido a uma cirurgia de seis horas nesta quinta-feira para a desobstrução intestinal, na qual os médicos aproveitaram para retirar grande parte dos vários tumores presentes na região abdominal do presidente em exercício. De acordo com os médicos responsáveis pelo procedimento cirúrgico, realizado no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, a operação de desobstrução intestinal foi bem-sucedida, apesar das dificuldades provocadas pela grande quantidade de tumores.

Reuters |

"Isso levou a uma certa dificuldade em realizar os procedimentos necessários para resolver a obstrução que o vice-presidente tinha, mas, apesar do tempo demorado, a cirurgia foi muito bem", disse a jornalistas o médico oncologista Paulo Hoff.

Os médicos disseram que a retirada dos tumores não era o objetivo da operação, mas que ainda assim foi possível retirar 10 nódulos do abdome do presidente.

"Aproveitando que as condições permitiram, foi retirada a maior quantidade possível de tumores. Ficaram apenas dois nódulos na região pélvica", disse o cirurgião Raul Cutait, acrescentando que Alencar, de 77 anos, comportou-se "quase que como um adolescente" durante a operação.

Após a cirurgia, o vice-presidente, que luta contra o câncer desde 1997 e já passou por várias operações, passará de 24 a 48 horas na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) em observação. Os médicos afirmaram que é possível que após cirurgias desse porte aconteçam complicações.

Alencar internou-se na quarta-feira com quadro de obstrução intestinal, e os médicos decidiram nesta quinta que a melhor conduta para o caso seria realizar a cirurgia, uma vez que o tratamento convencional não apresentou o resultado esperado.

Presidente em exercício enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva estiver na Europa, Alencar tinha exames de rotina agendados para esta quinta-feira, mas antecipou a internação em um dia após sentir fortes dores na região abdominal.

O vice-presidente havia recebido alta há dois dias após ser internado no sábado devido à obstrução intestinal.

"Seja o que Deus quiser", disse Alencar ao chegar ao hospital na quarta-feira.

Em 25 de janeiro deste ano, o vice-presidente passou por uma operação de 17 horas para a retirada de tumores no abdome.

Em maio, exames localizaram novos tumores no abdome. O vice-presidente decidiu, então, se submeter a um tratamento experimental nos Estados Unidos para combater os tumores.

De acordo com os médicos que o operaram, os nódulos que foram retirados serão examinados para verificar se o tratamento realizado nos EUA tem dado resultado.

(Por Pedro Fonseca; Edição de Aluísio Alves)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG