Médicos pedem troca de aparelhos para deter bactéria

O presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica do Rio de Janeiro, Sergio Levy, determinou que todos os instrumentos usados há mais de cinco anos devem ser trocados para prevenir a infecção por micobactéria, uma superbactéria resistente a antibióticos. Fizemos uma reunião com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que fez essa recomendação.

Agência Estado |

Eles também estão elaborando um protocolo mais completo", disse Levy. No Rio, já há dois casos confirmados, um em cirurgia de videolaparoscopia e outro em cirurgia de emagrecimento, afirmou ele. No Espírito Santo, um caso de infecção durante cirurgia plástica foi confirmado e outros três estão sendo investigados.

O surto de contaminação fez com que a Secretaria de Estado de Saúde do Espírito Santo suspendesse, na semana passada, todas as cirurgias de lipoaspiração. Também há casos em Minas Gerais. Segundo Levy, a superbactéria é resistente aos procedimentos de esterilização realizado pelos hospitais, e se localiza principalmente nas cânulas (instrumentos para fazer videocirurgias), que devem ser trocadas periodicamente. A SBCP-RJ recomenda que essa troca seja feita a cada dois ou três anos. "Inicialmente pensou-se em fazer cânulas descartáveis, mas haveria problema na fiscalização, é melhor acompanhar pela nota fiscal", disse ele. O presidente da SBCP-ES, José Renato Harb, considerou a suspensão das cirurgias uma medida exagerada e queixou-se do preconceito em relação à cirurgia plástica. Ele afirmou que um outro surto, em 2007, fez com que a secretaria revisse os métodos de atuação em caso de contaminação por micobactéria.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG